A destruição dos incêndios da Grécia vista do ar

Responsável pelos bombeiros gregos fala em 80 mortos nos fogos desta terça-feira . Pelo menos 187 pessoas ficaram feridas, 23 delas crianças. Jornais gregos mostram imagens da destruição tiradas com drones

Pelo menos 80 mortos, 187 feridos, 23 deles crianças e um número ainda indeterminado de desaparecidos. Este é o último balanço feito pelos bombeiros gregos dos fogos de terça-feira.

A maioria das vítimas morreu dentro dos carros ou a tentar chegar ao mar. Foi o que aconteceu em Mati, uma aldeia costeira a 40 quilómetros de Atenas, onde 26 corpos foram encontrado carbonizados e abraçados uns aos outros junto à praia.

O primeiro-ministro Alexis Tsipras decretou o estado de emergência na região de Ática, onde fica a capital grega. O país vai respeitar três dias de luto nacional.

Vários países, entre eles Portugal já enviaram ajuda para o terreno.

As imagens da destruição, feitas com recurso a drones, revelam um cenário trágico, de áreas ardidas e casas destruídas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.