Os elogios de Trump a Kim Jong-un

O presidente norte-americano disse ter conhecido "um homem muito talentoso"

O encontro histórico entre Donald Trump e Kim Jong-un serviu também para os dois líderes políticos conhecerem mais um sobre o outro e sobre os países. "Tivemos um dia magnífico e aprendemos muito sobre cada um de nós e dos nosso países", referiu o presidente norte-americano.

No final do encontro, e já com o documento assinado nas mãos, o chefe de Estado elogiou Kim.

"Aprendi que é um homem muito talentoso e também que ama muito o seu país", comentou, dando de seguida novo e prolongado aperto de mãos com o homólogo norte-coreano.

Foi um encontro verdadeiramente histórico. Correu melhor do que alguém poderia imaginar. O mundo verá uma grande mudança.

Questionado sobre se haverá novos encontros ou convidará Kim a visitar a Casa Branca, Trump disse que sim a ambas as questões.

Documento histórico

O presidente norte-americano e o líder norte-coreano assinaram "um documento muito importante", nas palavras de Kim Jong-un.

O líder da Coreia do Norte afirma tratar-se de um "documento histórico." E que o "mundo verá uma grande mudança".

O Presidente dos Estados Unidos tinha já afirmado que a cimeira histórica com o líder norte-coreano "correu melhor do que alguém poderia imaginar".

"Foi um encontro verdadeiramente fantástico", adiantou Donald Trump à imprensa, à saída de um almoço de trabalho com Kim Jong-un - momentos antes da assinatura do "documento histórico".

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.