Os elogios de Trump a Kim Jong-un

O presidente norte-americano disse ter conhecido "um homem muito talentoso"

O encontro histórico entre Donald Trump e Kim Jong-un serviu também para os dois líderes políticos conhecerem mais um sobre o outro e sobre os países. "Tivemos um dia magnífico e aprendemos muito sobre cada um de nós e dos nosso países", referiu o presidente norte-americano.

No final do encontro, e já com o documento assinado nas mãos, o chefe de Estado elogiou Kim.

"Aprendi que é um homem muito talentoso e também que ama muito o seu país", comentou, dando de seguida novo e prolongado aperto de mãos com o homólogo norte-coreano.

Foi um encontro verdadeiramente histórico. Correu melhor do que alguém poderia imaginar. O mundo verá uma grande mudança.

Questionado sobre se haverá novos encontros ou convidará Kim a visitar a Casa Branca, Trump disse que sim a ambas as questões.

Documento histórico

O presidente norte-americano e o líder norte-coreano assinaram "um documento muito importante", nas palavras de Kim Jong-un.

O líder da Coreia do Norte afirma tratar-se de um "documento histórico." E que o "mundo verá uma grande mudança".

O Presidente dos Estados Unidos tinha já afirmado que a cimeira histórica com o líder norte-coreano "correu melhor do que alguém poderia imaginar".

"Foi um encontro verdadeiramente fantástico", adiantou Donald Trump à imprensa, à saída de um almoço de trabalho com Kim Jong-un - momentos antes da assinatura do "documento histórico".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.