ONU e OCDE criam plano de emprego para refugiados

Uma das principais medidas é encontrar potenciais empregadores e refugiados que tenham as competências procuradas

A ONU e a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) apresentaram esta terça-feira em Genebra um plano destinado a aproveitar, junto do setor privado, o potencial dos refugiados no mercado de trabalho nos países de destino.

"O plano de ação mostra a maneira de garantir que o potencial económico dos refugiados seja aproveitado de forma adequada, contribui para a integração social e oferece uma alternativa em que todos ganham: os refugiados, os empregadores e as comunidades", afirmou o Alto-Comissário da ONU para os Refugiados (ACNUR), Volker Turk.

A proposta contém dez pontos, com base "em boas práticas" e inspirados em experiências concretas já em curso nalguns países europeus.

Entre as ações propostas, destacam-se as que visam facilitar aos empregadores interessados contratar refugiados após os trâmites administrativos, bem como a identificação dos potenciais beneficiários cuja formação e experiência laboral corresponda ao que se procura.

Uma das principais empresas da Dinamarca já pôs em funcionamento uma linha telefónica para disponibilizar este tipo de informação aos seus membros, enquanto no Reino Unido, uma associação encarrega-se de encontrar a coincidência entre as competências dos refugiados e os empregadores que oferecem oportunidades de emprego de muito curto prazo, cerca de 12 dias.

Também na Dinamarca, bem como na Noruega e na Suécia, já se deu início ao processo de identificação das competências profissionais dos refugiados num formato parecido com o existente no Reino Unido, permitindo uma "rápida avaliação" de um "portefólio eletrónico" criado pelos próprios refugiados através de uma aplicação para os telefones inteligentes ("smartphones").

Numa fase mais avançada, países como a Hungria ou a Turquia estão a oferecer atividades de formação prática aos refugiados, incluindo formações vocacionais e aprendizagem da língua nacional, para aumentar a possibilidade de aceder a um emprego.

Na Alemanha, a Associação de Câmaras Alemãs de Comércio e Indústria criou uma rede com as empresas que desejam contratar refugiados ou que já contam com alguns deles como assalariados, com o objetivo de preparar os responsáveis pela "gestão da diversidade" ou em como organizar o primeiro dia de trabalho de um deles.

Sobre todos estes modelos, Volker Turk sublinhou que o plano de ação conjunto da ONU e da OCDE oferece um novo enfoque, através do qual os refugiados são incluídos nas comunidades desde o princípio e, por isso, ganham acesso a empregos, que lhes permitirá autossustentarem-se e contribuindo, ao mesmo tempo, para a economia local.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.