Onda de calor revela locais pré-históricos no País de Gales

A trabalhar na área desde os anos 90, o arqueólogo diz que nunca as condições foram tão boas para descobrir marcas pré-históricas no país

Uma onda de calor acompanhada por uma seca extrema está a revelar marcas na vegetação um pouco por todo o País de Gales, que permitiram identificar vestígios arqueológicos até agora desconhecidos - achados feitos por um arqueólogo que sobrevoou o país numa pequena aeronave.

Segundo a BBC, Toby Driver revelou que um local celta desconhecido foi descoberto perto das ruínas de um castelo em Tywyn, Gwynedd. Em Monmouthshire, foram encontrados ruínas pré-históricas, daquilo que se suspeita ser uma fortaleza romana.

"Por todo o País de Gales estamos a encontrar novos pedaços de história", disse Toby Driver. Em entrevista à BBC Radio Wales, o arqueólogo afirmou que "é uma coisa estranha e excitante de ver. Foram três semanas incríveis".

Após os voos de Driver a partir do aeroporto de Haverfordwest, Pembrokeshire, as imagens foram divulgadas pela Comissão Real sobre Monumentos Antigos e Históricos do País de Gales (Royal Commission on the Ancient and Historical Monuments of Wales).

Vestígios de uma povoação celta foram também descobertos em Gwynedd, no vale entre as ruínas do castelos de Bere e a fortaleza Craig e Aderyn.

No sul do País, entre Caerwent e Caerleon, a seca permitiu ao arqueólogo encontrar mais uma fortaleza e cidade romanas.

As marcas são desenhos na vegetação, que podem desaparecer muito rapidamente, com a alteração das condições climatéricas. Toby Driver, que se dedica a este trabalho desde os anos 90, diz que ainda não tinha encontrado condições semelhantes a estas.

"Esta é uma altura em que locais arqueológicos perdidos, vilas romanas, fortalezas e povoados pré-históricos aparecem fugazmente nas culturas", referiu.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.