Onda de calor revela locais pré-históricos no País de Gales

A trabalhar na área desde os anos 90, o arqueólogo diz que nunca as condições foram tão boas para descobrir marcas pré-históricas no país

Uma onda de calor acompanhada por uma seca extrema está a revelar marcas na vegetação um pouco por todo o País de Gales, que permitiram identificar vestígios arqueológicos até agora desconhecidos - achados feitos por um arqueólogo que sobrevoou o país numa pequena aeronave.

Segundo a BBC, Toby Driver revelou que um local celta desconhecido foi descoberto perto das ruínas de um castelo em Tywyn, Gwynedd. Em Monmouthshire, foram encontrados ruínas pré-históricas, daquilo que se suspeita ser uma fortaleza romana.

"Por todo o País de Gales estamos a encontrar novos pedaços de história", disse Toby Driver. Em entrevista à BBC Radio Wales, o arqueólogo afirmou que "é uma coisa estranha e excitante de ver. Foram três semanas incríveis".

Após os voos de Driver a partir do aeroporto de Haverfordwest, Pembrokeshire, as imagens foram divulgadas pela Comissão Real sobre Monumentos Antigos e Históricos do País de Gales (Royal Commission on the Ancient and Historical Monuments of Wales).

Vestígios de uma povoação celta foram também descobertos em Gwynedd, no vale entre as ruínas do castelos de Bere e a fortaleza Craig e Aderyn.

No sul do País, entre Caerwent e Caerleon, a seca permitiu ao arqueólogo encontrar mais uma fortaleza e cidade romanas.

As marcas são desenhos na vegetação, que podem desaparecer muito rapidamente, com a alteração das condições climatéricas. Toby Driver, que se dedica a este trabalho desde os anos 90, diz que ainda não tinha encontrado condições semelhantes a estas.

"Esta é uma altura em que locais arqueológicos perdidos, vilas romanas, fortalezas e povoados pré-históricos aparecem fugazmente nas culturas", referiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.