Onda de calor mata 80 japoneses e leva 35 mil ao hospital

A onda de calor que atingiu o Japão matou 80 pessoas e levou outras 35 mil para o hospital em três semanas, segundo dados oficiais atualizados na terça-feira.

A semana passada foi a mais mortífera, quando as temperaturas ultrapassaram os 35 graus, com o registo de 65 vítimas mortais, segundo a Agência de Gestão de Incêndios e Desastres. Quinze mortes deram-se nas duas semanas anteriores.

Várias cidades japonesas tornaram-se locais pouco saudáveis, com temperaturas entre 35 e quase 40 graus Celsius à sombra e humidade acima de 80%.

"Estamos a registar um calor sem precedentes em várias regiões", disse Motoaki Takekawa, da Agência Meteorológica, em conferência de imprensa. O responsável considerou o sucedido de "desastre natural".

Temperaturas sem precedentes foram alcançadas em todo o país, inclusive na cidade de Kumagaya, ao norte de Tóquio, que bateu o recorde nacional na segunda-feira com o termómetro a marcar 41,1 graus Celsius.

Segundo a Agência Meteorológica, as temperaturas de 35 °C ou mais podem durar até ao início de agosto.

A Agência de Gestão de Desastres aconselhou os cidadãos a usar aparelhos de ar condicionado, beber água e fazer intervalos regulares no trabalho.

Crianças entre as vítimas

Os idosos são o maior grupo de risco e a maioria das vítimas mortais. O Japão, recorde-se é o país com maior longevidade. Em 2016 havia mais de 65 mil centenários.
Mas as crianças também estão entre as vítimas. Uma criança de seis anos morreu de insolação após ter estado a brincar na escola.

"São necessárias medidas de emergência para proteger as crianças", disse o porta-voz do governo Yoshihide Suga, em conferência de imprensa.
Está em análise a possibilidade de estender o período de férias de verão.

O governo vai subsidiar a instalação de aparelhos de ar condicionado em escolas, faculdades e colégios a partir do próximo verão.
Menos de metade das salas de aula das escolas públicas tem de aparelhos de ar condicionado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.