Ocasio-Cortez faz um jogo... e expõe corrupção na política em três minutos

Alexandria Ocasio-Cortez fingiu ser a "má da fita" perguntando a uma comissão de ética até onde poderia ir se quisesse construir uma carreira política até ao mais alto nível e enriquecer com base na promiscuidade com as corporações. E mostrou que quase não há limites

Desde que derrotou o veterano Joseph Crowley na primária do 14.º Distrito de Nova Iorque, em 2018, tornando-se na congressista mais nova da história dos Estados Unidos, que Alexandria Ocasio-Cortez, entre apoiantes e detratores, se tem vindo a tornar numa das mais reconhecidas figuras da política norte-americana. E nesta sexta-feira a democrata de origem latino-americana, de 29 anos, voltou a conquistar as atenções de todo o país ao fazer um "jogo", perante uma comissão de ética do congresso, onde basicamente demonstrou tudo o que está "fundamentalmente mal" no sistema de financiamento dos políticos e dos partidos nos Estados Unidos. Em pouco mais de três minutos.

Assumindo o papel de "má da fita" - condição que, reconheceu, metade dos presentes já lhe atribuiria "de qualquer maneira" - Ocasio-Cortez apresentou aos peritos um cenário em que era um um político corrupto, que tinha por ambições a própria ascensão e enriquecimento, mesmo que conseguidos "à custa dos interesses do povo americano". E depois foi colocando perguntas para saber até onde podia ir antes de violar qualquer lei.

Ter uma campanha integralmente financiada por fundos provenientes de grandes corporações? Sim. Recorrer a formas encapotadas de suborno para esconder alguns "esqueletos no armário" cuja divulgação poderia comprometer a ascensão pessoal? Confere. Favorecer, enquanto legislador, as mesmas empresas que o ajudaram a ser eleito? Perfeitamente legal. Comprar ações de determinadas empresas e depois promover medidas que irão refletir-se na valorização da cotação das mesmas? Tudo em ordem.

O "knock-out" chegou aos três minutos e quinze de jogo, quando a congressista demonstrou que se já é bastante fácil para ela ser "a má da fita", é "ainda mais fácil" para um Presidente da República assumir esse papel.

O estilo de Ocasio-Cortez tem-lhe valido algumas acusações de ser "radical". Mas a jovem política, que se assume como "socialista democrata", considera a acusação um elogio. "Se ser radical é mudar o país, chamem-me radical", disse numa entrevista recente ao programa 60 minutos, da CBS.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.