Objectivo felicidade humana

Fidelidade total à manteiga, leitura cristalina dos pratos por todos e renúncia absoluta à utilização de mais de três ingredientes em cada criação sua. Movidos que possamos estar pela impressionante força enquanto empresário, é pela clareza de pensamento que o chef francês Joel Robuchon ficará conhecido.

Joel Robuchon viveu literalmente toda a vida na cozinha, aperfeiçoando e simplificando tudo com todas as suas forças. Mesmo no mais simples creme de pastelaria, desde os doze anos que interrogou tudo e todos na senda do prazer e síntese.

Nasceu para a alta cozinha já a nouvelle-cuisine era uma realidade indiscutível e fixou-se num dos seus pilares - destaque de cada ingrediente em separado - para lavrar um dos mais extensos receituários de todos os tempos. Jamais abandonou as fundações da cozinha que conheceu e em que oficiou ao longo de sessenta anos, mas é mais que certo afirmar que não hesitou em intervir e mudar alguns aspectos, mesmo quando o mundo moderno lhe apontava o dedo com os excessos de proteína que alguns dos seus pratos tinham.

A manteiga, ingrediente que lhe foi sempre tão caro, foi proscrita pela crítica vanguardista, seduzida e rendida ao azeite das dietas mediterrâneas, quando no fundo sempre em França conviveram pacificamente. O mundo ficará sempre quedo e mudo quando num qualquer momento futuro olhar para o puré de batata Robuchon, no qual pela alquimia da paciência o amido da batata vai sendo substituído por manteiga, num processo longo e que não admite pressas; quando perceber a sua paixão pelas cozinhas do extremo-oriente, por exemplo pelo incrível bacalhau marinado em miso com beringela fumada que inventou do nada; ou quando der com a catedral de sabor que é o seu burger de foie-gras com pimentos.

O mais importante da vida de Joel Robuchon, mesmo assim, foi a devoção pelo ser humano, tudo o que fez foi para o ver mais feliz.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Tempo de fugir de casa para regressar à terra

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.