Objectivo felicidade humana

Fidelidade total à manteiga, leitura cristalina dos pratos por todos e renúncia absoluta à utilização de mais de três ingredientes em cada criação sua. Movidos que possamos estar pela impressionante força enquanto empresário, é pela clareza de pensamento que o chef francês Joel Robuchon ficará conhecido.

Joel Robuchon viveu literalmente toda a vida na cozinha, aperfeiçoando e simplificando tudo com todas as suas forças. Mesmo no mais simples creme de pastelaria, desde os doze anos que interrogou tudo e todos na senda do prazer e síntese.

Nasceu para a alta cozinha já a nouvelle-cuisine era uma realidade indiscutível e fixou-se num dos seus pilares - destaque de cada ingrediente em separado - para lavrar um dos mais extensos receituários de todos os tempos. Jamais abandonou as fundações da cozinha que conheceu e em que oficiou ao longo de sessenta anos, mas é mais que certo afirmar que não hesitou em intervir e mudar alguns aspectos, mesmo quando o mundo moderno lhe apontava o dedo com os excessos de proteína que alguns dos seus pratos tinham.

A manteiga, ingrediente que lhe foi sempre tão caro, foi proscrita pela crítica vanguardista, seduzida e rendida ao azeite das dietas mediterrâneas, quando no fundo sempre em França conviveram pacificamente. O mundo ficará sempre quedo e mudo quando num qualquer momento futuro olhar para o puré de batata Robuchon, no qual pela alquimia da paciência o amido da batata vai sendo substituído por manteiga, num processo longo e que não admite pressas; quando perceber a sua paixão pelas cozinhas do extremo-oriente, por exemplo pelo incrível bacalhau marinado em miso com beringela fumada que inventou do nada; ou quando der com a catedral de sabor que é o seu burger de foie-gras com pimentos.

O mais importante da vida de Joel Robuchon, mesmo assim, foi a devoção pelo ser humano, tudo o que fez foi para o ver mais feliz.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.