Objectivo felicidade humana

Fidelidade total à manteiga, leitura cristalina dos pratos por todos e renúncia absoluta à utilização de mais de três ingredientes em cada criação sua. Movidos que possamos estar pela impressionante força enquanto empresário, é pela clareza de pensamento que o chef francês Joel Robuchon ficará conhecido.

Joel Robuchon viveu literalmente toda a vida na cozinha, aperfeiçoando e simplificando tudo com todas as suas forças. Mesmo no mais simples creme de pastelaria, desde os doze anos que interrogou tudo e todos na senda do prazer e síntese.

Nasceu para a alta cozinha já a nouvelle-cuisine era uma realidade indiscutível e fixou-se num dos seus pilares - destaque de cada ingrediente em separado - para lavrar um dos mais extensos receituários de todos os tempos. Jamais abandonou as fundações da cozinha que conheceu e em que oficiou ao longo de sessenta anos, mas é mais que certo afirmar que não hesitou em intervir e mudar alguns aspectos, mesmo quando o mundo moderno lhe apontava o dedo com os excessos de proteína que alguns dos seus pratos tinham.

A manteiga, ingrediente que lhe foi sempre tão caro, foi proscrita pela crítica vanguardista, seduzida e rendida ao azeite das dietas mediterrâneas, quando no fundo sempre em França conviveram pacificamente. O mundo ficará sempre quedo e mudo quando num qualquer momento futuro olhar para o puré de batata Robuchon, no qual pela alquimia da paciência o amido da batata vai sendo substituído por manteiga, num processo longo e que não admite pressas; quando perceber a sua paixão pelas cozinhas do extremo-oriente, por exemplo pelo incrível bacalhau marinado em miso com beringela fumada que inventou do nada; ou quando der com a catedral de sabor que é o seu burger de foie-gras com pimentos.

O mais importante da vida de Joel Robuchon, mesmo assim, foi a devoção pelo ser humano, tudo o que fez foi para o ver mais feliz.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.