O que é o artigo 50 do Tratado de Lisboa

Vai ouvir falar muito deste artigo a partir de hoje: prevê pela primeira vez, de forma explícita a possibilidade de qualquer Estado sair da forma voluntária e unilateral da União

Com a vitória do brexit no referendo de ontem no Reino Unido, vai ter de ser invocado o artigo 50 do Tratado de Lisboa, o qual prevê um prazo de dois anos para a negociação da saída de um Estado-membro do bloco europeu, período que Reino Unido e União Europeia terão então para consumar o "divórcio" ditado pelos eleitores britânicos.

Assinado na capital portuguesa a 13 de dezembro 2007 e em vigor desde 01 de dezembro de 2009, o Tratado de Lisboa, que emendou o Tratado da União Europeia e o Tratado sobre o Funcionamento da UE, prevê pela primeira vez, de forma explícita, no artigo 50, a possibilidade de qualquer Estado sair da forma voluntária e unilateral da União.

Contra todas as expetativas de então, este artigo será ativado menos de sete anos após a entrada em vigor do Tratado de Lisboa, na sequência do resultado do referendo de quinta-feira no Reino Unido sobre a UE, que ditou a "saída", o chamado "Brexit", que deixará a União Europeia reduzida a 27 Estados-membros.

De acordo com o artigo 50, "um Estado-membro que decida retirar-se deverá notificar o Conselho Europeu" e será com base nas orientações do Conselho que a UE negoceia um acordo sobre os pormenores da saída e é definido o quadro das futuras relações desse Estado com a União.

O prazo previsto para a negociação de saída é de dois anos, "a menos que o Conselho Europeu, com o acordo do Estado-membro em causa, decida, por unanimidade, prorrogar esse período".

O acordo é negociado e celebrado pelo Conselho em nome da União, através de maioria qualificada e após aprovação do Parlamento Europeu.

Siga aqui o minuto a minuto sobre o Brexit

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, já advertiu -- ainda antes da consulta - de que um "divórcio" entre o Reino Unido e a UE será um processo moroso, estimando que poderia levar no total cerca de sete anos, entre o tempo necessário para romper os diferentes laços existentes (o tal prazo de dois anos previsto no Tratado de Lisboa) e aquele preciso para cada um dos restantes 27 Estados-membros, bem como o Parlamento Europeu, aprovarem o novo quadro de relações entre as partes.

Também o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, advertiu, antes do referendo, para a complexidade do processo que seria necessário para estabelecer um novo relacionamento entre o Reino Unido e a UE, sublinhando que o mesmo começaria da "estaca zero".

Após os dois anos de negociações sobre as modalidades da saída, indicou, será necessário "negociar as relações entre o Reino Unido e a UE a partir do zero", já que "tudo tem de ser revisto e renegociado" e não apenas internamente, mas também na perspetiva dos acordos vigentes entre o Reino Unido e o resto do mundo, "pois todos os acordos comerciais internacionais (pelo menos 52) foram concluídos em nome da Europa".

Durante a campanha, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, alertara os eleitores britânicos dee que, uma vez que invocado o artigo 50 do Tratado de Lisboa, no cenário de uma vitória da "saída" ('Brexit'), como sucedeu, não havia "volta atrás".

Os eleitores britânicos decidiram que o Reino Unido vai sair da União Europeia, depois de o 'Brexit' ter conquistado 51,9% dos votos no referendo de quinta-feira, cuja taxa de participação foi de 72,2%.

David Cameron anunciou já a intenção de se demitir em outubro, na sequência deste resultado,

As principais bolsas europeias abriram hoje em forte queda, com a bolsa de Londres a descer perto dos 8%

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.