"O iberismo é um edifício muito grande e não pretendemos construí-lo todo agora"

Paulo Gonçalves criou o Movimento Partido Ibérico em Portugal. Casimiro Sánchez Calderón o Íber em Espanha. Juntos assinaram agora a Declaração de Lisboa que defende uma união entre os dois países e Andorra

Paulo Gonçalves tem 47 anos, nenhuma experiência política, e é trabalhador por conta de outrem na Covilhã. Casimiro Sánchez Calderón é 30 anos mais velho, esteve mais de quatro décadas no PSOE que ajudou a fundar, e foi presidente da câmara de Puertollano, em Ciudad Real. A defesa do iberismo une-os há vários anos. Este fim de semana, tornaram oficial essa união com a assinatura da Declaração de Lisboa que marca a aliança entre o português Movimento Partido Ibérico e o espanhol Íber. O objetivo é consciencializar para os benefícios de uma união entre Portugal, Espanha e Andorra.

"O iberismo é um edifício muito grande e não pretendemos construí-lo todo agora. Nós estamos a trabalhar nas bases do edifício, artesanalmente, manualmente, porque as grandes máquinas estão nas mãos dos governos, que são quem pode fazer isto de forma mais rápida. Nós estamos a tentar consciencializar para a importância da união", contou Calderón ao DN. "Para já, em termos gerais, falamos da união dos interesses de Portugal, Espanha e Andorra. Mas queremos ir mais além, queremos também que funcione do ponto de vista dos países de expressão portuguesa e castelhana, queríamos que houvesse uma irmandade", indicou por seu lado Gonçalves.

A ideia de uma união ibérica não é de hoje e, do lado português, um dos seus grandes defensores foi o Nobel da Literatura José Saramago (que morreu em 2010). O que a torna mais urgente agora, segundo Calderón, é a globalização e a noção de que só juntos teremos a força para conseguir fazer ouvir as nossas vozes. "O conceito de nação mudou. Antes era um conjunto de sentimentos, de tradições, de culturas, de idioma. Agora uma nação é uma unidade de sobrevivência coletiva. A globalização mudou o mundo completamente e a tecnologia ainda o vai mudar mais", alertou.

Mas e qual é o objetivo do Partido Iberista, que por enquanto está apenas legalizado em Espanha? "Rechaçamos a Integração de Portugal em Espanha e defendemos que a construção da Ibéria seja obra de Portugal, Espanha e Andorra; tendo por base os princípios da igualdade, da otimização de recursos e das vantagens mútuas", lê-se na Declaração de Lisboa.

"Em causa não está uma união política entre os dois países, como tem sido defendido, mas uma confederação de países ibéricos", disse Gonçalves. A ideia passa, por exemplo, por uma partilha de ministérios, em que houvesse um ministro espanhol e um português para cada pasta - à exceção da Defesa, Justiça e Interior - para permitir que "tudo seja pensado, planeado, projetado e executado do ponto de vista ibérico". Com benefícios para todos.

"O que está em cima da mesa hoje não é uma Ibéria, mas imaginemos que o movimento chegava ao poder, em Portugal e Espanha, conseguíamos que em termos constitucionais houvesse mudanças para permitir esta tal partilha de ministérios, e em dada altura as pessoas de um lado e do outro diziam que isto não chega. Se as pessoas pedirem mais, podemos subir um passo", acrescenta o português. Estudos feitos na Universidade de Salamanca mostraram, em 2011, revelou que 39,8% dos inquiridos espanhóis e 46,1% dos portugueses eram a favor de uma união entre os dois países.

"As eleições são o que nos preocupa menos. O que nos preocupa é trabalhar entre Portugal e Espanha para ver como podemos unir os serviços públicos, ver como podemos ter uma segurança social mais forte, unir o espaço radioelétrico, criar organismos comuns de regulação do mercado... até coisas tão simples como o horário. Não faz sentido que não tenhamos a mesma hora. Mas passa também por um banco central ibérico", indicou Calderón.

Gonçalves defende que este teria que preparar um estudo sobre os benefícios do euro e a eventualidade de uma moeda ibérica poder ser melhor. Isto sem pôr em causa a União Europeia. "Nós somos europeístas natos, o que queremos é tornar mais forte a Europa com nações cada vez mais equilibradas. A Europa não é possível se as nações que as formam são tão díspares", explicou Calderón. "A força na Europa está a tender para Leste e nós não estamos contra ninguém, mas também merecemos a nossa quota parte", indicou por seu lado o português.

Numa altura em que a Catalunha quer a independência de Espanha e o Reino Unido quer sair da União Europeia, a ideia de uma Ibéria comum parece em contrassenso. "Os tempos da fragmentação e da rutura, tanto do ser humano como das sociedades e das nações, tem que terminar", disse Calderón, explicando que "os separatismos não fazem sentido no mundo global".

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.