Número recorde de civis mortos no Afeganistão:

Relatório da ONU diz respeito ao primeiro semestre do ano

O Afeganistão registou 1.692 civis mortos no primeiro semestre de 2018, o pior número da última década, apesar do cessar-fogo de três dias em junho, informou hoje a ONU.

Entre 1 de janeiro e 30 de junho, foram contabilizados 1.692 mortos, metade dos quais atribuídos a ataques do grupo Estado Islâmico, o número mais elevado desde que a ONU começou há uma década a contar as baixas civis no Afeganistão.

De acordo com a Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão, durante o primeiro semestre, as províncias de Cabul (a capital) e Nangarhar, no Leste, foram as mais atingidas - inclusive durante o cessar-fogo.

Os talibãs, que fizeram uma trégua com o governo de 15 a 17 de junho, são os responsáveis por 40% das mortes de civis afegãos.

Uma vez mais, a luta por terra ocupa o segundo lugar entre as causas de morte e ferimentos na população afegã. A primeira causa continua a ser os ataques suicidas e os ataques complexos (ataques desencadeados por um suicida, seguidos pela ocupação de locais específicos e troca de tiros).

Contudo, segundo as contas da ONU, a expansão das operações aéreas levou a um aumento acentuado do número de vítimas civis devido aos bombardeamentos (mais 52%) em comparação com o mesmo período do ano passado, com 149 mortos e 204 civis feridos.

Mais da metade das baixas (52%) são atribuídas às forças afegãs e 45% aos aviões dos EUA, os únicos na coligação ocidental a realizar operações.

"O breve cessar-fogo provou que é possível parar os combates. Os civis afegãos não precisam sofrer mais", disse Tadamichi Yamamoto, representante Especial do Secretário-Geral das Nações Unidas, em comunicado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.