Novos e-mails mostram que existiram mais contactos após reunião de Trump Jr. com russos

Rob Goldstone, que alinhavou a reunião, enviou vários e-mails a pessoas próximas de Trump

A possível ingerência russa nas eleições norte-americanas continua a levantar perguntas em várias direções. Agora, surgem novos dados sobre a já conhecida reunião de Donald Trump Jr. com uma mulher russa que lhe prometera informações prejudiciais sobre Hillary Clinton.

Trump Jr. foi contactado pelo britânico Rob Goldstone, que organizou a reunião de junho de 2016, na Trump Tower em Nova Iorque. O filho do presidente americano e os seus colaboradores têm afirmado que nada mais aconteceu após esse encontro, mas a CNN revela esta quinta-feira que Goldstone enviou depois vários e-mails a um participante russo na reunião, bem como a alguém do círculo próximo de Trump pai.

Os e-mails foram descobertos por investigadores e Donald Trump Jr. foi confrontado com os mesmos numa audiência confidencial que aconteceu na passada quarta-feira.

A CNN acrescenta que nenhum dos e-mails foi enviado diretamente para Trump Jr., pelo que deverão ser assunto da audiência à porta fechada de Goldstone no Congresso, que deverá acontecer na próxima semana.

Um dos e-mails, acrescenta a cadeia noticiosa norte-americana, é de Goldstone para Dan Scavino, agora responsável pelas redes sociais na Casa Branca, e revela um assunto discutido na reunião de 2016. Rob Goldstone encoraja Scavino a criar uma página do então candidato Donald Trump na rede social russa VK, dizendo que "Don e Paul" concordavam. A CNN diz que é uma referência direta a Trump Jr. e a Paul Manafort, então líder da campanha eleitoral de Trump.

Aquilo que seria, segundo Golstone, uma "ideia gira de marketing", pode agora tornar-se em mais um caso difícil de desatar, quer para investigadores, quer para a administração Trump.

O filho do Presidente dos EUA mantém que não teve quaisquer conversas de continuação após a referida reunião.

Ler mais

Exclusivos

Premium

JAIME NOGUEIRA PINTO

O arauto da revolta popular

Rejeição. Não é, por enquanto, senão isso. Não pelos reaccionários, pelos latifundiários, pelos generais golpistas, pelos fascistas declarados ou encapotados, mas pelo povo brasileiro, que vota agora contra a esquerda dita idealista - e notoriamente irrealista quanto à natureza humana (sobretudo à própria) - que montou um "mecanismo" de enriquecimento ilícito e de perpetuação no poder digno dos piores hábitos do coronelismo e do caciquismo que os seus antepassados ideológicos, de Josué de Castro a Celso Furtado, tanto criticaram. Um povo zangado, enganado, roubado, manipulado pelos fariseus da tolerância, dos direitos humanos e das flores de retórica do melhor dos mundos, pelos donos de tudo - do pensamento único aos recursos do Estado.