Jantar de Maduro em restaurante de luxo na Turquia indigna oposição

Presidente da Venezuela viajou para China e no regresso parou na Turquia onde foi filmado a comer uma costeleta de 100 dólares e a fumar um charuto personalizado

O presidente venezuelano foi filmado num restaurante de luxo turco a comer uma costeleta e a fumar um charuto personalizado, numa paragem na viagem de regresso a casa depois de uma ida à China. A ida ao restaurante de luxo está a ser fortemente criticada pelos opositores dada a grave crise humanitária que o seu país enfrenta, com escassez até de comida.

O Nusret Gökçe's Nusr-Et é conhecido pelos seus bifes e temperos. As costeletas custam 100 dólares (85,48 euros), ou seja, mais do dobro do salário mínimo na Venezuela, que está atualmente nos 39,50 euros.

A visita não passou despercebida até porque o restaurante partilhou a imagem de Maduro, acompanhado pela mulher, a comer um pedaço de carne suculento, uma t-shirt do restaurante e a retirar um charuto de uma caixa personalizada. Entretanto, a fotografia foi apagada, refere a Bloomberg que mostra a imagem original.

Também foram publicados vários vídeos, entretanto todos apagados. Mas os media venezuelanos ainda conseguem reproduzi-los e num deles ouve-se Maduro dizer que "é uma vez na vida".

O líder da oposição Julio Borges, que não vive na Venezuela por receio de ser preso, escreveu no Twitter: "Enquanto os venezuelanos sofrem e morrem com fome, Nicolás Maduro e Cilia Flores divertem-se num dos restaurantes mais caros do mundo, com dinheiro roubado ao povo venezuelano."

Muitas são as vozes no Twitter que têm criticado quer a atitude de Maduro, quer a do chef do restaurante que depois de ter partilhado as imagens do jantar, as apagou. Entre os críticos destaca-se o senador norte-americano Marco Rubio.

A Venezuela atravessa uma das piores crises humanitárias de sempre, com os estudos nacionais a apontarem que, em 2017, a pobreza afetava 87% dos agregados familiares e que 64% dos venezuelanos perderam peso, 11,4 quilos em média.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.