Nevou na "porta para o deserto" do Saara

A neve chegou aos 40 centímetros na cidade de Ain Sefra, no norte argelino. Imagens captadas por fotógrafo amador

O deserto mais quente do mundo - Saara - ficou coberto de neve no passado fim de semana, em Ain Sefra, município localizado na província de Naâma, no norte da Argélia.

Com temperaturas a rondar um grau celsius, os argelinos divertiram-se a construir bonecos de neve e a escorregar pelas dunas na cidade conhecida como "a porta para o deserto", com neve que chegou aos 40 centímetros aproximadamente, antes de derreter, conta o Express.

Um fotógrafo amador de Ain Sefra partilhou no Facebook imagens da única cidade da Argélia "que combina quatro quadros contrastantes", referindo-se às várias cores que a natureza traz ao local.

Em dezembro de 2016, nevou também nesta zona - que se encontra entre o deserto e a cordilheira do Atlas -, mas não tão intensamente como este ano.

Antes disso, só há 39 anos - a 18 de fevereiro de 1979 - testemunharam os habitantes de Ain Sefra uma queda de neve, que durou apenas meia hora.

Nos meses de julho e agosto, a região tem temperaturas médias de 35-37 graus, enquanto em janeiro a média é de 6 graus, podendo também chegar aos -0.3 graus.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.