Neil Gorsuch toma posse como juiz do Supremo Tribunal

Irá ocupar a vaga aberta há mais de um ano com a morte do juiz conservador Antonin Scala

O juiz conservador Neil Gorsuch jurou esta segunda-feira servir a Constituição dos Estados Unidos ao tomar posse, primeiro no Supremo Tribunal e depois na Casa Branca.

Nomeado em finais de janeiro pelo Presidente Donald Trump, Gorsuch, 49 anos, foi confirmado na sexta-feira, depois de uma batalha que terminou com uma alteração ao regulamento que pôs termo a décadas de tradição de compromisso entre democratas e republicanos.

A cerimónia de posse, fechada, decorreu no Supremo perante o presidente da instituição, o juiz John Roberts, e os outros oito juízes -- quatro conservadores e quatro progressistas.

Depois, Gorsuch prestou juramento perante o Donald Trump, numa cerimónia no roseiral da Casa Branca.

Numa breve intervenção, Donald Trump qualificou Gorsuch de "profundamente fiel à Constituição" e disse não ter dúvidas de que "passará à histórica como um dos verdadeiros grandes juízes da história dos Estados Unidos".

Gorsuch vai ocupar a vaga aberta há 14 meses com a morte do juiz conservador Antonin Scalia, em fevereiro de 2016.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.