Argentinos deliciados com pastéis de nata portugueses

A "Nataria Portuguesa" conseguiu que os argentinos começassem, aos poucos, a trocar os seus tradicionais doces pelos pastéis de nata. A comunidade chinesa são também grandes clientes

A recentemente inaugurada "Nataria Portuguesa" conseguiu dois feitos: uma receita própria próxima dos pastéis de nata de Portugal e fazer com que os argentinos, aos poucos, troquem os tradicionais alfajores pelo emblemático doce português.

Até o final do século XIX, metade das famílias em Buenos Aires era de origem portuguesa, mas, apesar dessa presença, a Argentina não tem tradição em doces com ovos nem herdou nenhuma receita do mais famoso doce português, o pastel de nata.

"Os nossos clientes iniciais foram os descendentes de portugueses e os argentinos que conhecem Portugal. Surpreendeu-me como os argentinos, com a divulgação do turismo em Portugal, conhecem o pastel de nata", explica à Lusa o empresário Luís Infante da Câmara, indicando ainda que 15% das vendas são para turistas, especialmente os brasileiros.

Há cinco meses, o empresário português lançou a rede Nataria Portuguesa.

Por enquanto, a fábrica em San Javier, interior da província de Santa Fé, abastece uma dezena de pontos de Buenos Aires e duas lojas próprias: uma no elegante e turístico bairro La Recoleta; outra, no Centro da cidade, colada com outro ícone português, o Hotel Pestana Buenos Aires.

O sucesso entre os clientes argentinos é evidente, com muitos a comprarem os doces para o café da tarde nos escritórios, um costume argentino acompanhado, até agora, apenas de biscoitos e alfajores.

Chineses compram às dezenas

Entre os chineses, uma comunidade de 200 mil, sobretudo concentrada em Buenos Aires, o sucesso é ainda maior, explicou Luís Infante da Câmara.

"Os chineses conhecem o pastel de nata que entrou no país a partir de Macau, mas que já se espalhou a outras regiões. Publicaram a novidade no site da comunidade e os pedidos não param. Não compram por unidade, mas às dezenas", disse o empresário, que também já fechou um contrato de venda durante o festival Lollapalooza Argentina, em março.

As expectativas de negócio iniciais dobraram e a Nataria Portuguesa pretende agora duplicar o número de lojas até meados do ano e triplicar até o final de 2019, chegando a seis lojas neste primeiro ano.

Nos próximos meses, a fábrica deve atingir a produção de 2.500 pastéis por dia, duplicando e até triplicando até o final do ano.

"Não tenho nada a ver com pastel de nata, com pastelarias nem com cozinhas. Comi poucos pastéis de nata ao longo da vida. Todos os que entendiam do assunto recomendavam-me não me meter nisso porque o clima era diferente, porque a humidade é alta e porque os ingredientes eram outros", recordou Luís Infante da Câmara.

Forno especial e cozinheiro português

A primeira cozinha foi na fazenda onde vive, no interior de Santa Fé. De início, comprou um forno especial e trouxe um cozinheiro de Portugal, mas os resultados não eram constantes.

"Nem mesmo o cozinheiro conseguia explicar. Era a mesma panela, os mesmos ingredientes e o mesmo tempo de cozedura. Num dia os pasteis eram fantásticos; noutro, incomíveis. Incidia humidade, calor, o tipo de farinha, o tipo de açúcar, o tipo de manteiga. Demoramos muito tempo para encontrar a farinha e a manteiga exatas e a combinação de ambas", recordou.

Depois de três cozinheiros diferentes, de escolher entre 20 tipos de farinhas e um investimento de quase 600 mil euros o resultado foi uma receita digna do título de pastel de nata português.

E agora quer lançar um novo pastel de nata com cariz argentino, com base de doce de leite, para competir com a paixão argentina pelos alfajores, um doce tradicional muito apreciado.

"Tentei fazer algo adaptado ao público argentino e que saiu bem, mas não quero ainda lançar. Quero fazer uma coisa bem feita de cada vez. Mas um dia espero lançar o pastel de nata com doce de leite", prometeu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.