Na Hungria, mulheres com quatro filhos vão deixar de pagar impostos

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, anunciou um pacote de medidas para promover a natalidade. Durante o discurso sobre o estado da nação, considerou "preferível" ajudar famílias a terem mais filhos do que deixar entrar no país imigrantes muçulmanos.

Na Hungria, mulheres com quatro ou mais filhos vão ficar isentas de pagamentos de impostos sobre o rendimento. Esta é uma das medidas anunciadas pelo primeiro-ministro húngaro para aumentar a taxa de natalidade durante o discurso sobre o estado da nação, no domingo. Viktor Orbán considerou "preferível" ajudar as famílias a terem mais filhos do que deixar entrar no país imigrantes muçulmanos.

Orbán reforçou a sua posição anti-migração ao afirmar que "em toda a Europa existem cada vez menos crianças" e que "a resposta do Ocidente para isso é a imigração". "Querem que entrem tantos imigrantes quanto as crianças que estão em falta, para que os números equilibrem. Nós, húngaros, temos uma maneira diferente de pensar. Não precisamos de números. Queremos crianças húngaras", afirmou o primeiro-ministro da Hungria, citado pela BBC.

De acordo com estação, a população na Hungria tem vindo a diminuir a um ritmo de 32 mil pessoas por ano. Em média, uma mulher húngara tem 1,45 filhos, abaixo da média europeia, que é de 1,58.

Anunciado programa de empréstimos

O pacote de medidas para promover a natalidade inclui também um programa de empréstimos sem juros para jovens casais no valor de 10 milhões de forints (cerca de 31 mil euros) para os ajudar na compra de carros e imóveis. Orbán anunciou ainda que as mulheres com menos de 40 anos que casarem pela primeira vez terão acesso a um crédito bonificado de 36 mil euros, sendo que um terço da dívida será perdoado aquando do nascimento do segundo filho e o total com o terceiro filho.

O primeiro-ministro húngaro garantiu a criação de 21 mil creches nos próximos três anos, melhorar o sistema nacional de saúde e os subsídios habitacionais do Estado, bem como os apoios para a aquisição de automóveis de sete lugares.

"Esta é a solução para os húngaros, não a imigração", reforçou Vicktor Orbán.

Críticas à união Europeia

Em Budapeste, o primeiro-ministro nacionalista e conservador não poupou nas críticas à política de imigração da União Europeia. "Há 30 anos pensámos que tínhamos deitado para o lixo o pensamento comunista, que defende o fim das nações. Parece que nos enganámos [...] Querem outra vez um mundo sem nações", disse perante centenas de apoiantes.

"A cúpula do internacionalismo hoje é Bruxelas e o seu instrumento é a imigração", acrescentou Orbán.

"Bruxelas tem um plano de sete pontos para transformar a Europa num continente de imigração", alegou, precisando que esse plano inclui um novo sistema de repartição de migrantes, o enfraquecimento da defesa das fronteiras nacionais e a introdução de vistos de imigração.

Vicktor Orbán acusou repetidamente a UE de encorajar a imigração e o milionário e filantropo norte-americano de origem húngara George Soros, alvo frequente dos seus ataques.

Enquanto Orban discursava, centenas de pessoas protestaram junto da sede de governo contra as políticas nacionalistas do primeiro-ministro.

*Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.