Mulheres sauditas foram ao futebol pela primeira vez

Mulheres tiveram autorização para ver um jogo de futebol pela primeira vez na sexta-feira

As autoridades da Arábia Saudita permitiram pela primeira vez que um grupo de mulheres assistisse a um jogo de futebol na sexta-feira, afrouxando as regras da rígida separação de géneros estabelecida no país muçulmano e ultraconservador.

Apesar da aparente modernidade, as mulheres foram levadas por uma porta separada e sentaram-se numa bancada reservada às famílias. O estádio, em Jeddah, encheu-se.

Horas antes do jogo, assinala a BBC, outro sinal de abertura na Arábia Saudita: realizou-se a primeira exposição automóvel dedicada ao público feminino. Recorde-se que, em setembro passado, as autoridades sauditas decidiram levantar a proibição às mulheres de conduzirem e, a partir do próximo mês de junho, vai ser possível ver mulheres ao volante.

À AFP, Lamya Khaled Nasser, de 32 anos, uma das adeptas que foi ao estádio, disse estar orgulhosa e ansiosa por ver o jogo ao vivo. "Isto prova que estamos a caminhar para um futuro próspero. Estou orgulhosa de testemunhar esta mudança enorme", explicou.

O governo saudita anunciou na semana passada que as mulheres poderiam assistir a um segundo jogo de futebol este sábado e um terceiro na quinta-feira da próxima semana. Os clubes regozijaram-se no Twitter e muitos venderam as tradicionais abayas - túnicas utilizadas pelas sauditas - com as cores dos equipamentos.

Ainda assim, as mulheres da Arábia Saudita continuam a depender da autorização dos homens com quem vivem para muitas ações do quotidiano, nomeadamente para abrir uma conta no banco, começar determinados negócios ou mesmo pedir um passaporte. As reformas recentes são da iniciativa do príncipe Mohammed bin Salman, defensor de um regime mais moderado, ainda que contem com a oposição dos sectores mais conservadores da sociedade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?