Inglaterra: convocada manifestação de "coletes amarelos" para sábado

O movimento anti-austeridade britânico People's Assembly convocou esta quarta-feira uma "manifestação nacional" para sábado em Londres e pediu aos participantes para usarem um colete amarelo, replicando o símbolo usado nos protestos dos últimos dois meses em França.

A organização, considerada de esquerda, defende a realização de legislativas antecipadas para afastar o Partido Conservador, no poder desde 2010.

"Não se esqueçam dos vossos coletes amarelos", lê-se numa mensagem colocada na página do evento no Facebook, intitulada "Britain is Broken" e que lista apelos para manifestações em várias outras cidades do Reino Unido.

"Independentemente de como tenhas votado no referendo original, se queres pôr fim à austeridade, se te preocupas com a falta de habitação, se queres ver os caminhos-de-ferro e outros serviços que foram privatizados de volta à propriedade pública, então uma eleição geral é a única via", lê-se na convocatória.

"Em suma, tirar os Tories do poder, que é atualmente o mais importante para os trabalhadores no Reino Unido", acrescenta o texto.

Outras organizações, como a "Stand Up To Racism", que critica a política governamental de acolhimento de refugiados, anunciaram que se vão juntar ao protesto.

Em paralelo, apoiantes do Brexit, alguns próximos da extrema-direita, têm partilhado nas redes sociais a palavra-chave "#YellowVestUK" em apelo a protestos.

A mobilização de coletes amarelos no Reino Unido tem sido mínima, mas alguns grupos têm sido fortemente criticados por ameaças e insultos a deputados e jornalistas no exterior do parlamento, zona transformada há meses em espaço de campanha pró e contra a saída do Reino Unido da União Europeia (UE).

No sábado passado realizaram-se protestos de coletes amarelos em Londres e em Manchester em que, segundo a imprensa, participantes entoaram palavras de ordem da English Defence League (EDL), um grupo de extrema-direita islamofóbico criado em 2009.

O designado movimento dos coletes amarelos surgiu em França, onde desde 17 de novembro milhares de pessoas se têm manifestado todos os sábados envergando coletes refletores de segurança rodoviária.

Algumas dessas manifestações degeneraram em violência, com automóveis e contentores de lixo incendiados e confrontos com as forças policiais, que fizeram pelo menos 10 mortos e centenas de feridos.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).