Morreu Tami, o hipopótamo em cativeiro mais velho do mundo

O zoo de Jerusalém, em Israel, despediu-se do mamífero esta quinta-feira

Tami morreu esta quinta-feira com 59 anos e com o título de hipopótamo em cativeiro mais antigo do mundo. De acordo com a agência AFP, foi encontrado no lago onde vivia, no jardim zoológico de Jerusalém, Israel, e terá morrido de causas naturais.

"É como perder um amigo". São as palavras de Gilad Moshe, funcionário do zoo da capital israelita, quando questionado sobre a morte de Tami.

De acordo com a instituição, conhecida por guardar e cuidar de animais referenciados na Bíblia como cabras, ovelhas e hipopótamos, o mamífero "morreu já numa idade avançada" e, garantem, passou a vida "rodeado de carinho e respeito".

Apesar de ter sido considerado atualmente o hipopótamo mais velho do mundo, a verdade é que Tami não é o hipopótamo que morre com mais idade. Em 2017, Bertha morreu com 65 anos no Manila Zoo, nas Filipinas. Ainda antes de Bertha, Donna despediu-se do Mesker Park Zoo, Indiana, nos Estados Unidos, com 62 anos, em 2012.

A esperança média de vida de um hipopótamo situa-se entre os 40 e os 50 anos e podem ser encontrados no centro e sudeste africano.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.