Morreu Tami, o hipopótamo em cativeiro mais velho do mundo

O zoo de Jerusalém, em Israel, despediu-se do mamífero esta quinta-feira

Tami morreu esta quinta-feira com 59 anos e com o título de hipopótamo em cativeiro mais antigo do mundo. De acordo com a agência AFP, foi encontrado no lago onde vivia, no jardim zoológico de Jerusalém, Israel, e terá morrido de causas naturais.

"É como perder um amigo". São as palavras de Gilad Moshe, funcionário do zoo da capital israelita, quando questionado sobre a morte de Tami.

De acordo com a instituição, conhecida por guardar e cuidar de animais referenciados na Bíblia como cabras, ovelhas e hipopótamos, o mamífero "morreu já numa idade avançada" e, garantem, passou a vida "rodeado de carinho e respeito".

Apesar de ter sido considerado atualmente o hipopótamo mais velho do mundo, a verdade é que Tami não é o hipopótamo que morre com mais idade. Em 2017, Bertha morreu com 65 anos no Manila Zoo, nas Filipinas. Ainda antes de Bertha, Donna despediu-se do Mesker Park Zoo, Indiana, nos Estados Unidos, com 62 anos, em 2012.

A esperança média de vida de um hipopótamo situa-se entre os 40 e os 50 anos e podem ser encontrados no centro e sudeste africano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.