A assustadora aterragem do maior avião de passageiros do mundo

Ventos cruzados ultrapassavam os 35 km/h. Avião abanou de um lado para o outro até estabilizar na pista de aterragem

O vídeo que se segue mostra a assustadora aterragem de um Airbus A380 da Emirates, um avião com cerca de 500 lugares, e o maior avião comercial de passageiros do mundo, em Dusseldorf, na Alemanha.

No aeroporto onde foi filmada a aterragem, na quinta-feira, os ventos cruzados ultrapassavam os 35 km/h. O norte da Alemanha tem sido assolado por ventos fortes, ao mesmo tempo que a tempestade Xavier passa pelo país, tendo já causado sete mortos.

É possível ver que, após as rodas tocarem o chão, o avião abana de um lado para o outro, numa espécie de derrapagem, enquanto o piloto tenta estabilizar a aeronave.

Quando tentam aterrar enquanto lutam contra ventos cruzados, os pilotos costumam aproximar-se a um certo ângulo para contrariar os efeitos.

"Já filmei milhares de aterragens em situações de ventos cruzados, em diversos aeroportos da Europa, mas esta foi bastante difícil e extraordinária. Primeiro pareceu uma aterragem com ventos cruzados perfeitamente normal, mas depois de tocarem o chão os pilotos tentaram alinhar-se com a pista, o que foi bastante incrível", afirmou Martin Bogdan, que filmou a aterragem, ao Daily Mail.

"O voo da Emirates EK 55, a 5 de outubro de 2017, aterrou de forma segura em Dusseldorf, sob fortes ventos cruzados. Em momento algum a segurança dos passageiros e dos tripulantes esteve comprometida", disse um porta-voz da companhia aérea.

Ainda sobre a tempestade Xavier, que se concentra no nordeste do país, os comboios entre Berlim, Hannover, Hamburgo e Keil foram cancelados esta sexta-feira de manhã, de acordo com o The Local.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.