A assustadora aterragem do maior avião de passageiros do mundo

Ventos cruzados ultrapassavam os 35 km/h. Avião abanou de um lado para o outro até estabilizar na pista de aterragem

O vídeo que se segue mostra a assustadora aterragem de um Airbus A380 da Emirates, um avião com cerca de 500 lugares, e o maior avião comercial de passageiros do mundo, em Dusseldorf, na Alemanha.

No aeroporto onde foi filmada a aterragem, na quinta-feira, os ventos cruzados ultrapassavam os 35 km/h. O norte da Alemanha tem sido assolado por ventos fortes, ao mesmo tempo que a tempestade Xavier passa pelo país, tendo já causado sete mortos.

É possível ver que, após as rodas tocarem o chão, o avião abana de um lado para o outro, numa espécie de derrapagem, enquanto o piloto tenta estabilizar a aeronave.

Quando tentam aterrar enquanto lutam contra ventos cruzados, os pilotos costumam aproximar-se a um certo ângulo para contrariar os efeitos.

"Já filmei milhares de aterragens em situações de ventos cruzados, em diversos aeroportos da Europa, mas esta foi bastante difícil e extraordinária. Primeiro pareceu uma aterragem com ventos cruzados perfeitamente normal, mas depois de tocarem o chão os pilotos tentaram alinhar-se com a pista, o que foi bastante incrível", afirmou Martin Bogdan, que filmou a aterragem, ao Daily Mail.

"O voo da Emirates EK 55, a 5 de outubro de 2017, aterrou de forma segura em Dusseldorf, sob fortes ventos cruzados. Em momento algum a segurança dos passageiros e dos tripulantes esteve comprometida", disse um porta-voz da companhia aérea.

Ainda sobre a tempestade Xavier, que se concentra no nordeste do país, os comboios entre Berlim, Hannover, Hamburgo e Keil foram cancelados esta sexta-feira de manhã, de acordo com o The Local.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.