Moção de censura aprovada: Sánchez vai ser primeiro-ministro de Espanha

Era necessária uma maioria absoluta de mais de 176 deputados - 180 votaram "sim" - o que foi alcançado. Um deputado absteve-se e 169 votaram "não"

Está confirmada a queda do atual Governo espanhol, liderado por Mariano Rajoy, após a aprovação de uma moção de censura. Assim, o próximo primeiro-ministro de Espanha será Pedro Sánchez, líder do PSOE, que promoveu a iniciativa.

Apesar de apenas ter 84 dos 350 deputados do parlamento espanhol, o partido socialista (PSOE) conseguiu reunir o apoio de 180 deputados, incluindo os do Unidos Podemos (Extrema-esquerda, 67), da Esquerda Republicana da Catalunha (ERC, separatistas, 9), do Partido Democrático e Europeu da Catalunha (PDeCAT, separatistas, 8), do Partido Nacionalista Basco (PNV, 5), do Compromís (nacionalistas valencianos, 4), do EH Bildu (separatista basco, 2), e da Nueva Canarias (nacionalista, 1).

O campo contra a moção contou com 169 votos divididos pelos deputados do PP (134), do Cidadãos (direita liberal, 32), a União do Povo de Navarra (UPN, regional, 2) e o Foro Asturias (regional, 1).

O único deputado da Coligação Canária (regional) absteve-se.

A presidente do Congresso dos Deputados deverá transmitir ainda hoje, oficialmente, o resultado da votação ao rei, Felipe VI, e Pedro Sánchez deverá tomar posse na segunda-feira e realizar o primeiro Conselho de Ministros do novo Governo antes do fim da próxima semana.

Mariano Rajoy reconheceu a derrota e felicitou a vitória de Sánchez mesmo antes da votação.

"Podemos presumir que a moção de censura será adotada, tendo como consequência que Pedro Sánchez será o novo presidente do Governo", disse Rajoy num curto discurso antes do início da votação.

Rajoy quis mesmo ser "o primeiro a felicitar" o líder do PSOE, apesar de ter manifestado que não concorda com os argumentos que levaram os socialistas a propor a moção.

"Foi uma honra deixar Espanha melhor do que a encontrei", disse Mariano Rajoy, acrescentando esperar que Sánchez consiga fazer a mesma coisa.

Por seu lado, também antes da votação, Pedro Sánchez, agradeceu o apoio dos deputados à sua investidura e disse que a assembleia vai escrever hoje "uma nova página na democracia do país".

A queda do executivo de Mariano Rajoy, que esteve seis anos à frente dos destinos de Espanha, é provocada depois de vários ex-membros do PP terem sido condenados na semana passada a penas de prisão por terem participado num esquema de corrupção que também beneficiou o partido.

O Cidadãos (direita liberal) retirou o apoio que até agora dava ao PP, mas recusou votar a moção de censura ao lado do PSOE, insistindo na antecipação das eleições.

Mariano Rajoy esteve no poder durante seis anos e Pedro Sánchez irá tentar acabar a legislatura que termina em 2020.

Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.