Moçambique admite desvios da ajuda às vítimas do ciclone Idai

Face a relatos de roubo de alimentos e de desvios de donativos para as vítimas do Idai, autoridades moçambicanas prometem fiscalização apertada e punição exemplar. Parlamento de Moçambique aprovou, esta quarta-feira, a criação de um grupo de trabalho para avaliar a transparência na assistência às vítimas do ciclone

As autoridades moçambicanas admitiram que os bens enviados para ajudar as vítimas do ciclone Idai no país estão a ser desviados e prometeram uma fiscalização apertada e uma punição exemplar. Isto depois de vários relatos de roubo de alimentos e de desvios de donativos terem chegado ao gabinete do próprio presidente da República, Filipe Nyusi, que na semana passada esteve na Beira, província de Sofala, principal zona afetada pelo ciclone que fez 598 mortos.

"As reclamações vão continuar sempre enquanto não conseguirmos otimizar aquilo que estamos a fazer. Como podem imaginar, este é um processo absolutamente complexo... temos estado a desdobrar em tudo que é possível para assegurar que estes mecanismos funcionem e que os produtos cheguem aquelas pessoas que precisam . Neste processo naturalmente algumas coisas que não estão ao nosso alcance podem acontecer. O que temos estado a apelar a sociedade é que nos ajudem a monitorar, ajudem-nos a controlar, ajudem-nos a vigiar e deem-nos informação concreta sobre se há elementos de prova que digam que as pessoas estão a roubar, que é para nós agirmos", disse, esta terça-feira, em conferência de imprensa, a diretora-geral do Instituto Nacional de Gestão das Calamidades de Moçambique, Augusta Maita, citada pelo site da rádio alemã Deutsche Welle. Maita foi cabeça de lista da Freljmo pela Beira nas eleições locais de outubro passado, das quais saiu vencedor o rival Daviz Simango, líder do MDM, que é o terceiro maior partido de Moçambique.

No mesmo sentido falou, no mesmo dia, o secretário-geral da Frelimo, Roque Silva. "Aqueles que meterem mão naquilo que as organizações e pessoas de bem estão a doar para mitigar o sofrimento da população serão levados a tribunal e punidos exemplarmente", declarou o responsável, falando aos jornalistas, após desembarcar na cidade de Chimoio, em Manica. O secretário-geral da Frelimo, reportou a Lusa, apelou à sociedade moçambicana e à comunidade internacional para intensificarem a ajuda às vítimas do ciclone Idai e assinalou ter ficado triste com as imagens de destruição e sofrimento.

Em Portugal, na terça-feira à noite, mais de quatro dezenas de artistas juntaram-se num concerto de solidariedade no Capitólio. O evento foi organizado pela cantora moçambicana Selma Uamusse e contou com transmissão na RTP, bem como com a participação do presidente da República português e o embaixador moçambicano em Lisboa. Ao longo de todo o dia, através de uma linha telefónica de valor acrescentado, que vai permanecer ativa até dia 5 de abril, foram reunidos mais de 300 mil euros em donativos. Estes serão entregues a oito organizações no terreno. Todas elas assinaram uma carta de compromisso público em que garantem uma gestão transparente e eficaz de todo o dinheiro que receberem, comprometem-se a realizar uma auditoria e um relatório final a dizer onde todo o dinheiro foi gasto.

Entre os artistas que participaram estiveram o coro Gospel Collective, Conan Osiris, Dino D'Santiago, Selma Uamusse, Salvador Sobral, Cristina Branco, Gisela João, Rodrigo Leão, Héber Marques, Samuel Úria, Joana Alegre, Karina Gomes, Luísa Sobral e Mistah Isaac. Este último criou, com a ajuda das filhas, um tema especial para a ocasião.

Na segunda-feira, tal como anunciado por Filipe Nyusi na sua deslocação à Beira, foi criada uma comissão independente que nos próximos três meses vai liderar o processo de distribuição de mantimentos aos deslocados vítimas do ciclone. Fazem parte desta comissão uma empresa de ramo logístico contratada na Beira e o Programa Alimentar Mundial (PAM), que trabalha em coordenação com o Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC).

Esta quarta-feira, o Parlamento moçambicano aprovou a criação de um grupo de trabalho, formado por deputados, para avaliar a transparência da assistência às vítimas do ciclone Idai no centro do país. O grupo de trabalho, aprovado por consenso entre as três bancadas do Parlamento de Moçambique, será formado por deputados da Comissão dos Assuntos Constitucionais, Direitos Humanos e de Legalidade e pela Comissão dos Assuntos Sociais, do Género, Tecnologias e Comunicação Social. A medida foi aprovada por requerimento da bancada da Renamo, principal partido da oposição, à direção do Parlamento, na sequência de alegações de falta de transparência na distribuição da ajuda às vítimas do ciclone, ​​​​​​​noticiou a agência Lusa a partir de Maputo.

Na Beira estão também peritos internacionais para aferir o nível destruição daquela que é a segunda maior cidade de Moçambique. O grupo de peritos, deslocou-se à região a convite do conselho autárquico da Beira, liderado por Simango, que pretende com o trabalho de peritagem criar um banco de dados sobre as destruições provocadas pelo ciclone Idai com vista a planificar os investimentos nas áreas prioritárias, noticiou o site da Deutsche Welle, lembrando que o número de pessoas afetadas pelo ciclone Idai em Moçambique atinge 1,3 milhões de pessoas.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.