Mistério continua. E já são 14 os pés humanos que deram à costa

Um novo "episódio" deste mistério foi "revelado" no início deste mês. Voltou a ser encontrado um pé humano numa praia na Colômbia Britânica, no Canadá. É já o 14.º encontrado nesta região desde 2007

Um homem estava a andar na praia, na ilha de Gabriola, na Colômbia Britânica, no Canadá, quando se deparou com um pé humano dentro de uma bota de caminhada. Apesar de insólita, a macabra descoberta no início deste mês tornou-se comum nesta região. Afinal, este é já o 14.º pé, ainda com o sapato calçado, encontrado desde 2007.

A polícia não especifica se este último membro inferior é direito ou esquerdo, apenas que estava numa bota de caminhada, enquanto que todos os anteriores, menos um, foram encontrados dentro de ténis de corrida.

Este novo "episódio" do mistério, que já dura há 11 anos, foi divulgado pelas autoridades da Colômbia no passado dia sete. Ainda não há uma explicação oficial para que tantos pés estejam a ser descobertos nas praias da costa canadiana, apesar de haver teorias para o caso.

Uma das hipóteses está relacionada com as vítimas do tsunami de 2004 ou de acidentes de barco. Há também várias especulações como as que dizem que os pés são das vítimas de um assassino em série ou até do crime organizado.

Hipóteses desmontadas por Barb McLintock, antiga médica legista local. De acordo com o The Guardian, foram identificados oito dos 14 pés, entre os quais se incluem dois pares. Os restantes pés pertenciam a homens. As autoridades locais afirmam que são de indivíduos que cometeram suicídio ou que morreram de forma acidental, muito provavelmente vítimas de fenómenos naturais, como tempestades.

Um dos pés identificados pertencia a um homem, de 79 anos, que vivia em Washington e que desapareceu, tendo sido depois encontrado morto sem se saber até hoje o que terá acontecido.

McLintock revela uma possível explicação para o mistério que há mais de uma década está a intrigar as autoridades e o mundo. Ao jornal britânico refere que os pés separam-se do corpo durante a decomposição e que este processo acontece de forma mais rápida debaixo de água.

Mas a explicação não se fica por aqui e pode responder à pergunta: Qual é a razão pela qual os pés aparecem, na sua maioria, dentro de ténis? A evolução da tecnologia usada no calçado desportivo pode ser a resposta. As bolsas de ar ou a espuma que existe neste tipo de calçado pode permitir "eventualmente que eles sejam leves o suficiente para flutuar e dar à costa", explica Barb McLintock.

Certo, certo é que já são 14 os pés humanos encontrados na costa canadiana. As autoridades até já elaboraram um mapa com as localizações das descobertas macabras:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.