Mistério continua. E já são 14 os pés humanos que deram à costa

Um novo "episódio" deste mistério foi "revelado" no início deste mês. Voltou a ser encontrado um pé humano numa praia na Colômbia Britânica, no Canadá. É já o 14.º encontrado nesta região desde 2007

Um homem estava a andar na praia, na ilha de Gabriola, na Colômbia Britânica, no Canadá, quando se deparou com um pé humano dentro de uma bota de caminhada. Apesar de insólita, a macabra descoberta no início deste mês tornou-se comum nesta região. Afinal, este é já o 14.º pé, ainda com o sapato calçado, encontrado desde 2007.

A polícia não especifica se este último membro inferior é direito ou esquerdo, apenas que estava numa bota de caminhada, enquanto que todos os anteriores, menos um, foram encontrados dentro de ténis de corrida.

Este novo "episódio" do mistério, que já dura há 11 anos, foi divulgado pelas autoridades da Colômbia no passado dia sete. Ainda não há uma explicação oficial para que tantos pés estejam a ser descobertos nas praias da costa canadiana, apesar de haver teorias para o caso.

Uma das hipóteses está relacionada com as vítimas do tsunami de 2004 ou de acidentes de barco. Há também várias especulações como as que dizem que os pés são das vítimas de um assassino em série ou até do crime organizado.

Hipóteses desmontadas por Barb McLintock, antiga médica legista local. De acordo com o The Guardian, foram identificados oito dos 14 pés, entre os quais se incluem dois pares. Os restantes pés pertenciam a homens. As autoridades locais afirmam que são de indivíduos que cometeram suicídio ou que morreram de forma acidental, muito provavelmente vítimas de fenómenos naturais, como tempestades.

Um dos pés identificados pertencia a um homem, de 79 anos, que vivia em Washington e que desapareceu, tendo sido depois encontrado morto sem se saber até hoje o que terá acontecido.

McLintock revela uma possível explicação para o mistério que há mais de uma década está a intrigar as autoridades e o mundo. Ao jornal britânico refere que os pés separam-se do corpo durante a decomposição e que este processo acontece de forma mais rápida debaixo de água.

Mas a explicação não se fica por aqui e pode responder à pergunta: Qual é a razão pela qual os pés aparecem, na sua maioria, dentro de ténis? A evolução da tecnologia usada no calçado desportivo pode ser a resposta. As bolsas de ar ou a espuma que existe neste tipo de calçado pode permitir "eventualmente que eles sejam leves o suficiente para flutuar e dar à costa", explica Barb McLintock.

Certo, certo é que já são 14 os pés humanos encontrados na costa canadiana. As autoridades até já elaboraram um mapa com as localizações das descobertas macabras:

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.