É o adeus ao biquíni. "Não vos vamos julgar pela vossa aparência exterior"

O movimento #MeToo chegou ao concurso que conta quase cem anos. Gretchen Carlson, que preside à organização da Miss América, anunciou nesta terça-feira as mudanças

A imagem acima não vai repetir-se. As concorrentes da Miss América vão deixar de ter de desfilar em biquínis reduzidos e saltos altíssimos, acabando assim com uma tradição de quase cem anos, anunciou nesta terça-feira a organização do concurso, que teve a sua primeira edição em 1921, em Atlantic City, com as suas concorrentes a desfilarem de fato de banho.

A mudança já tem nome, e é difícil não ligar #byebyebikini ao movimento #MeToo. "Não vos vamos julgar a partir da vossa aparência exterior", afirmou Gretchen Carlson, que preside à organização desde janeiro. "Queremos que mais mulheres saibam que são bem-vindas a esta organização", disse a ex-pivô da estação televisiva americana Fox News nesta terça-feira no programa Good Morning America, da ABC.

"O que nos interessa será o que elas dizem, quando falam do impacto social das suas iniciativas", declarou Carlson, que conta que a organização ouvia "muitas jovens mulheres dizerem 'Adorávamos participar no vosso programa mas não queremos andar aí de saltos altos e fato de banho.'" Agora já não é preciso, pois a Miss América estará a olhar para "os talentos" das concorrentes a quem quer atribuir "bolsas de estudo", reforça ainda a presidente da organização. O New York Times destaca o novo foco nos "talentos, inteligência e ideias", transmitido nesta terça-feira pela organização.

Não é um acaso que esta medida seja tomada com Carlson à frente da Miss América. Em 2016 a ex-pivô processou Roger Ailes, então à frente da Fox News, por assédio. É difícil, então, olhar para a abolição do biquíni na Miss América sem a ligar ao movimento #MeToo. Sobretudo se pensarmos que o anterior diretor-executivo Sam Haskell esteve envolvido num escândalo em que foram divulgados emails seus com comentários misóginos acerca das concorrentes.

Desde que Carlson tomou posse, ela própria Miss América de 1989 e a primeira a chefiar a organização, sete dos nove lugares da administração foram ocupados por mulheres. "Estamos a seguir em frente e a envolver-nos nesta revolução cultural", afirmou. Além dessa "revolução cultural", outro dos motivos que poderá ter influenciado esta decisão é a queda de audiências do concurso - que neste ano será transmitido a 9 de setembro pela ABC -, algo que acontece também com outros eventos televisivos como os Jogos Olímpicos ou a cerimónia do Grammy.

A discussão em torno da prova em biquíni não é uma novidade, e data já dos anos 20, quando o concurso começou. Desde aí que o concurso procura um equilíbrio entre a valorização da mulher e o perigo da sua objetivação. "Não somos estúpidos. Somos sensíveis ao facto de a competição em biquíni ter sido sempre o nosso calcanhar de Aquiles", disse Leonard Horn, à frente da organização, em 1993, recordava nesta terça-feira o New York Times.

O concurso Miss América não deve ser confundido com a Miss USA, que faz parte da Miss Universo, concurso que pertenceu a Donald Trump entre 1996 e 2015, um ano antes de ser eleito Presidente dos Estados Unidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.