É o adeus ao biquíni. "Não vos vamos julgar pela vossa aparência exterior"

O movimento #MeToo chegou ao concurso que conta quase cem anos. Gretchen Carlson, que preside à organização da Miss América, anunciou nesta terça-feira as mudanças

A imagem acima não vai repetir-se. As concorrentes da Miss América vão deixar de ter de desfilar em biquínis reduzidos e saltos altíssimos, acabando assim com uma tradição de quase cem anos, anunciou nesta terça-feira a organização do concurso, que teve a sua primeira edição em 1921, em Atlantic City, com as suas concorrentes a desfilarem de fato de banho.

A mudança já tem nome, e é difícil não ligar #byebyebikini ao movimento #MeToo. "Não vos vamos julgar a partir da vossa aparência exterior", afirmou Gretchen Carlson, que preside à organização desde janeiro. "Queremos que mais mulheres saibam que são bem-vindas a esta organização", disse a ex-pivô da estação televisiva americana Fox News nesta terça-feira no programa Good Morning America, da ABC.

"O que nos interessa será o que elas dizem, quando falam do impacto social das suas iniciativas", declarou Carlson, que conta que a organização ouvia "muitas jovens mulheres dizerem 'Adorávamos participar no vosso programa mas não queremos andar aí de saltos altos e fato de banho.'" Agora já não é preciso, pois a Miss América estará a olhar para "os talentos" das concorrentes a quem quer atribuir "bolsas de estudo", reforça ainda a presidente da organização. O New York Times destaca o novo foco nos "talentos, inteligência e ideias", transmitido nesta terça-feira pela organização.

Não é um acaso que esta medida seja tomada com Carlson à frente da Miss América. Em 2016 a ex-pivô processou Roger Ailes, então à frente da Fox News, por assédio. É difícil, então, olhar para a abolição do biquíni na Miss América sem a ligar ao movimento #MeToo. Sobretudo se pensarmos que o anterior diretor-executivo Sam Haskell esteve envolvido num escândalo em que foram divulgados emails seus com comentários misóginos acerca das concorrentes.

Desde que Carlson tomou posse, ela própria Miss América de 1989 e a primeira a chefiar a organização, sete dos nove lugares da administração foram ocupados por mulheres. "Estamos a seguir em frente e a envolver-nos nesta revolução cultural", afirmou. Além dessa "revolução cultural", outro dos motivos que poderá ter influenciado esta decisão é a queda de audiências do concurso - que neste ano será transmitido a 9 de setembro pela ABC -, algo que acontece também com outros eventos televisivos como os Jogos Olímpicos ou a cerimónia do Grammy.

A discussão em torno da prova em biquíni não é uma novidade, e data já dos anos 20, quando o concurso começou. Desde aí que o concurso procura um equilíbrio entre a valorização da mulher e o perigo da sua objetivação. "Não somos estúpidos. Somos sensíveis ao facto de a competição em biquíni ter sido sempre o nosso calcanhar de Aquiles", disse Leonard Horn, à frente da organização, em 1993, recordava nesta terça-feira o New York Times.

O concurso Miss América não deve ser confundido com a Miss USA, que faz parte da Miss Universo, concurso que pertenceu a Donald Trump entre 1996 e 2015, um ano antes de ser eleito Presidente dos Estados Unidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).