É o adeus ao biquíni. "Não vos vamos julgar pela vossa aparência exterior"

O movimento #MeToo chegou ao concurso que conta quase cem anos. Gretchen Carlson, que preside à organização da Miss América, anunciou nesta terça-feira as mudanças

A imagem acima não vai repetir-se. As concorrentes da Miss América vão deixar de ter de desfilar em biquínis reduzidos e saltos altíssimos, acabando assim com uma tradição de quase cem anos, anunciou nesta terça-feira a organização do concurso, que teve a sua primeira edição em 1921, em Atlantic City, com as suas concorrentes a desfilarem de fato de banho.

A mudança já tem nome, e é difícil não ligar #byebyebikini ao movimento #MeToo. "Não vos vamos julgar a partir da vossa aparência exterior", afirmou Gretchen Carlson, que preside à organização desde janeiro. "Queremos que mais mulheres saibam que são bem-vindas a esta organização", disse a ex-pivô da estação televisiva americana Fox News nesta terça-feira no programa Good Morning America, da ABC.

"O que nos interessa será o que elas dizem, quando falam do impacto social das suas iniciativas", declarou Carlson, que conta que a organização ouvia "muitas jovens mulheres dizerem 'Adorávamos participar no vosso programa mas não queremos andar aí de saltos altos e fato de banho.'" Agora já não é preciso, pois a Miss América estará a olhar para "os talentos" das concorrentes a quem quer atribuir "bolsas de estudo", reforça ainda a presidente da organização. O New York Times destaca o novo foco nos "talentos, inteligência e ideias", transmitido nesta terça-feira pela organização.

Não é um acaso que esta medida seja tomada com Carlson à frente da Miss América. Em 2016 a ex-pivô processou Roger Ailes, então à frente da Fox News, por assédio. É difícil, então, olhar para a abolição do biquíni na Miss América sem a ligar ao movimento #MeToo. Sobretudo se pensarmos que o anterior diretor-executivo Sam Haskell esteve envolvido num escândalo em que foram divulgados emails seus com comentários misóginos acerca das concorrentes.

Desde que Carlson tomou posse, ela própria Miss América de 1989 e a primeira a chefiar a organização, sete dos nove lugares da administração foram ocupados por mulheres. "Estamos a seguir em frente e a envolver-nos nesta revolução cultural", afirmou. Além dessa "revolução cultural", outro dos motivos que poderá ter influenciado esta decisão é a queda de audiências do concurso - que neste ano será transmitido a 9 de setembro pela ABC -, algo que acontece também com outros eventos televisivos como os Jogos Olímpicos ou a cerimónia do Grammy.

A discussão em torno da prova em biquíni não é uma novidade, e data já dos anos 20, quando o concurso começou. Desde aí que o concurso procura um equilíbrio entre a valorização da mulher e o perigo da sua objetivação. "Não somos estúpidos. Somos sensíveis ao facto de a competição em biquíni ter sido sempre o nosso calcanhar de Aquiles", disse Leonard Horn, à frente da organização, em 1993, recordava nesta terça-feira o New York Times.

O concurso Miss América não deve ser confundido com a Miss USA, que faz parte da Miss Universo, concurso que pertenceu a Donald Trump entre 1996 e 2015, um ano antes de ser eleito Presidente dos Estados Unidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.