Ministro da Defesa é primeira baixa de assédio no parlamento

Michael Fallon demite-se após admitir conduta aquém do esperado para o cargo. Políticos e deputados estão numa lista negra

O ministro da Defesa britânico, Michael Fallon, que na segunda-feira pediu desculpa por ter posto a mão no joelho da jornalista Julia Hartley-Brewer durante um jantar em 2002, demitiu-se ontem depois de admitir que teve "uma conduta aquém dos elevados padrões" esperados nas Forças Armadas que tem "a honra de representar". É a primeira baixa num escândalo que está a abalar o Parlamento britânico, depois de a imprensa revelar que as funcionárias de Westminster tinham criado um grupo secreto na aplicação WhatsApp para denunciar casos de assédio sexual por parte dos políticos de todos os partidos.

"Um número de acusações tem vindo a público sobre os deputados nos últimos dias, incluindo algumas sobre a minha conduta anterior. Muitas destas têm sido falsas, mas aceito que no passado fiquei aquém dos elevados padrões que exigimos às Forças Armadas que tenho a honra de representar", escreveu Fallon na carta de demissão de ministro da Defesa que enviou à primeira-ministra britânica, Theresa May. Fallon, de 65 anos, estava no cargo desde julho de 2014, tendo antes estado em várias secretarias de Estado. É deputado desde 1983.

A demissão surge depois de a própria jornalista desvalorizar o caso. Num comunicado tinha dito, sem mencionar Fallon, que depois de ele repetidamente lhe ter posto a mão no joelho durante o jantar, lhe disse "calma e educadamente" que lhe dava "um murro na cara" se ele continuasse. Ele parou com esse comportamento. Contudo, segundo fontes citadas pelos jornais britânicos, Fallon terá estado envolvido em incidentes semelhantes mais recentemente, não podendo garantir que não tinha atuado de forma inapropriada. Mas não são conhecidas mais queixas.

Fallon não é o único membro do governo alegadamente envolvido no escândalo, com o próprio vice--primeiro-ministro, Damian Green, a ser posto em causa. Ele nega todas as acusações. No total, a lista negra inclui 40 deputados conservadores, mas também há pelo menos uma denúncia de uma ativista do Labour que foi pressionada a não denunciar uma violação porque isso iria prejudicar a sua carreira. O Partido Trabalhista já abriu um inquérito.

A lista foi compilada a partir das denúncias feitas num grupo secreto de WhatsApp (aplicação de mensagens), no qual as mulheres que trabalham em Westminster partilham histórias do comportamento indevido dos deputados de ambos os partidos - apelidados de sex pests, isto é, pragas sexuais. Foi criado depois do escândalo sexual em Hollywood a envolver o produtor Harvey Weinstein e da campanha #metoo (eu também).

No grupo, as mulheres denunciam quem faz sexo no gabinete, quem assedia os funcionários (de ambos os sexos) ou quem lhes dá alcunhas sexistas. E avisam que determinado político "não é seguro nos táxis", que outro "gosta muito de tocar" ou que é melhor não andar de elevador com um terceiro. Há também um deputado que, alegadamente, mandou a secretária comprar vibradores para a mulher e para uma outra funcionária. O dossiê que veio a público foi compilado por funcionários conservadores e diz apenas respeito a políticos do partido no governo.

A primeira-ministra britânica prometeu agir onde houver provas de má conduta por parte dos políticos, sugerindo uma reunião com os líderes partidários na próxima segunda-feira, e a criação de um órgão independente para analisar as denúncias.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."