Milhares manifestam-se contra a interrupção voluntária da gravidez em Madrid

A lei espanhola permite que as mulheres façam a interrupção voluntária durante as primeiras 14 semanas de gravidez, um atraso na média de outros países europeus.

Milhares de pessoas manifestaram neste domingo no centro de Madrid contra a interrupção voluntária da gravidez, que é autorizada em Espanha durante as primeiras 14 semanas de gestação.

Entoando palavras de ordem como "Sim à vida" e "Juventude Unida lutando pela vida", os manifestantes marcharam da rua Serrano até à Porta de Alcalá, onde lançaram centenas de balões verdes "em memória dos não nascidos", nas palavras dos organizadores.

"O aborto deve ser banido. Desde a conceção existe uma vida independente da mãe e que tem todos os direitos", disse à AFP Alejandra Anton, uma enfermeira de 32 anos que participou na manifestação com o marido e duas crianças de um ano e meio e 3 meses.

A manifestação, organizada pela plataforma 'Yes to Life'. aconteceu numa atmosfera festiva com cartazes como "O direito à vida é para todos, sem exceção".

De acordo com a lei espanhola, votada em 2010, as mulheres podem fazer a interrupção voluntária durante as primeiras 14 semanas de gravidez, um atraso na média de outros países europeus.

O Partido Popular (PP, conservador) lançou em 2013 um projeto de reforma para restringir o aborto a alguns casos limitados, mas a controvérsia que se seguiu levou-o a retirar seu projeto.

O número dois do PP, Teodoro García Egea, juntou-se à manifestação para defender "a vida, a maternidade, o futuro da Espanha, o futuro das famílias", como disse aos jornalistas.

Os partidos de esquerda continuam a defender o direito à interrupção voluntária da gravidez; o líder do PP, Pablo Casado, já propôs um retorno à legislação mais restritiva da década de 1980.

Por sua vez, o partido Vox, de extrema-direita, que, segundo as sondagens, entrará no parlamento nacional pela primeira vez nas próximas legislativas, propõe que o aborto seja excluído do sistema público de saúde.

As eleições legislativas estão previstas para 28 de abril, e as sondagens dão a vitória aos socialistas do PSOE, do atual chefe de governo, Pedro Sánchez, mas o PP, os liberais do Cidadãos e o Vox, juntos, podem somar lugares suficientes para formar uma coligação.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.