Milhares de ucranianos sem aquecimento devido a conflitos com empresas de gás

Mais de 600 mil habitantes da cidade de Kryvy Rih, no sudeste da Ucrânia, cercaram hoje o edifício da companhia de distribuição de gás local exigindo que o sistema de fornecimento seja posto a funcionar

Centenas de milhares de cidadãos ucranianos encontram-se sem acesso a aquecimento devido ao permanente conflito entre a companhia nacional de gás e as empresas de distribuição.

Mais de 600 mil habitantes da cidade de Kryvy Rih, no sudeste da Ucrânia, cercaram hoje o edifício da companhia de distribuição de gás local exigindo que o sistema de fornecimento seja posto a funcionar.

Na zona, registam-se temperaturas negativas, sobretudo durante a noite.

Perto de Smila, no centro da Ucrânia, moradores bloquearam estradas de acesso à cidade em protesto e pedem às autoridades para garantirem o fornecimento de gás às populações.

O líder da oposição ucraniana, Oleh Lyashko, disse na semana passada que pelo menos seis cidades com mais de um milhão de habitantes continuam sem aquecimento a gás.

Os problemas relacionados com o aquecimento central agravaram-se depois de a companhia nacional de gás (Naftgaz) ter aumentado os preços da tarifa do gás.

A maior parte dos municípios do país alertam que face ao aumento dos preços é impossível efetuar os pagamentos necessários para garantir o fornecimento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.