Milhares de pessoas pedem em Madrid o fim das touradas

Manifestantes partiram bandarilhas criando uma grande nuvem vermelha para simbolizar o sangue de mais de 20.000 touros, vacas, novilhas e bezerros que morrem a cada ano, em touradas, em Espanha

Milhares de espanhóis e estrangeiros manifestaram-se hoje no centro de Madrid para reivindicar a abolição da tauromaquia em todas as suas formas, uma iniciativa que contou com 500 ativistas.

A manifestação começou na Puerta del Sol, com uma performance em que ativistas partiram bandarilhas criando uma grande nuvem vermelha para simbolizar o sangue de mais de 20.000 touros, vacas, novilhas e bezerros que morrem a cada ano, em touradas em Espanha.

Iniciativa teve como objetivo exigir a eliminação das touradas das listas de património e interesse cultural da Espanha, o fim dos apoios públicos e ainda da participação de crianças

Laura Gonzalo, porta-voz do evento, explicou em declarações à agência Efe que a iniciativa contou com 40 mil participantes e que foi apoiada por onze associações nacionais e internacionais de defesa animal.

Gonzalo explicou que a iniciativa visou exigir a eliminação das touradas das listas de património e interesse cultural da Espanha, o fim dos apoios públicos e ainda da participação de crianças.

Os participantes começaram a marcha com uma faixa onde se lia "Tourada é violência" e 'slogans' como "abolição da Tourada" ou " vergonha nacional tauromaquia".

Victoria Lacalle, colaborador Gladiator para a Paz e um psicólogo especialista em violência, disse à Agência Efe que "a tauromaquia representa o calcanhar de Aquiles do abuso de animais e terminá-lo eliminaria outras formas de violência contra humanos e outros animais".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.