Milhares de pessoas pedem em Madrid o fim das touradas

Manifestantes partiram bandarilhas criando uma grande nuvem vermelha para simbolizar o sangue de mais de 20.000 touros, vacas, novilhas e bezerros que morrem a cada ano, em touradas, em Espanha

Milhares de espanhóis e estrangeiros manifestaram-se hoje no centro de Madrid para reivindicar a abolição da tauromaquia em todas as suas formas, uma iniciativa que contou com 500 ativistas.

A manifestação começou na Puerta del Sol, com uma performance em que ativistas partiram bandarilhas criando uma grande nuvem vermelha para simbolizar o sangue de mais de 20.000 touros, vacas, novilhas e bezerros que morrem a cada ano, em touradas em Espanha.

Iniciativa teve como objetivo exigir a eliminação das touradas das listas de património e interesse cultural da Espanha, o fim dos apoios públicos e ainda da participação de crianças

Laura Gonzalo, porta-voz do evento, explicou em declarações à agência Efe que a iniciativa contou com 40 mil participantes e que foi apoiada por onze associações nacionais e internacionais de defesa animal.

Gonzalo explicou que a iniciativa visou exigir a eliminação das touradas das listas de património e interesse cultural da Espanha, o fim dos apoios públicos e ainda da participação de crianças.

Os participantes começaram a marcha com uma faixa onde se lia "Tourada é violência" e 'slogans' como "abolição da Tourada" ou " vergonha nacional tauromaquia".

Victoria Lacalle, colaborador Gladiator para a Paz e um psicólogo especialista em violência, disse à Agência Efe que "a tauromaquia representa o calcanhar de Aquiles do abuso de animais e terminá-lo eliminaria outras formas de violência contra humanos e outros animais".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.