Milhares de militantes antifascistas italianos manifestam-se em Macerata

Há uma semana, Luca Traini, um homem jovem de cabelo rapado e tatuagens de inspiração fascista, disparou sobre uma dezena de africanos

Milhares de pessoas desfilaram hoje contra o fascismo, sem incidentes, em Macerata, uma semana após o tiroteio de caráter racista que provocou seis feridos nesta pequena cidade do centro da Itália, sujeita a medidas de segurança por receio de confrontos.

Outras concentrações também decorreram pelo país, incluindo em Milão, onde uma manifestante exibia um cartaz onde implorava: "Estrangeiros, não nos deixeis sós com os fascistas", referiu a agência noticiosa France-Presse (AFP).

Em Piacenza (norte), registaram-se breves confrontos entre várias dezenas de manifestantes antifascistas e forças policiais.

Em Macerata, onde as autoridades receavam incidentes, os manifestantes, alguns provenientes de outras regiões, responderam ao apelo de organizações antifascistas, organizações não governamentais, sindicatos, mas também de diversas formações políticas de esquerda.

No cortejo (calculado em 10.000 pessoa pelas autoridades e em 30.000 pelos organizadores), muitos agitaram bandeiras vermelhas e negras e entoaram clássicos como "Bella ciao", mas alguns também exibiam bandeiras italianas.

Há uma semana, Luca Traini, um homem jovem de cabelo rapado e tatuagens de inspiração fascista, disparou sobre uma dezena de africanos em diversos locais da cidade, provocando pelo menos seis feridos.

Luca Traini afirmou ter agido para vingar a morte de Pamela Matropietro, uma jovem de 18 anos cujo corpo foi descoberto cortado em pedaços, após o anúncio da prisão de um 'dealer' nigeriano suspeito de envolvimento neste crime.

Dois outros nigerianos foram detidos, posteriormente, e o procurador anunciou hoje que o inquérito está "encerrado" e se tratou provavelmente de um homicídio voluntário, enquanto também admitia a tese de uma 'overdose'.

A três semanas das eleições legislativas de 04 de março, este crime e o tiroteio racista colocaram o tema da imigração no centro de uma campanha eleitoral dominada por discursos muito à direita.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.