Milhares de pessoas saem às ruas contra "viragem ditatorial" de Duterte

Presidente filipino prometeu assinar um pacto para acabar com o conflito separatista muçulmano na ilha de Mindanao

Milhares de filipinos saíram esta segunda-feira às ruas em protesto contra o que designam de "viragem ditatorial" e os abusos de poder do polémico Presidente Rodrigo Duterte, numa manifestação em que foi pedida a sua destituição.

No mesmo dia em que o Presidente fez o discurso sobre o Estado da Nação, associações de estudantes, sindicatos, organizações feministas, grupos religiosos e ativistas dos direitos humanos juntaram-se num enorme protesto contra a gestão de Duterte.

Os cartazes exibidos pelos manifestantes mostravam caricaturas de Duterte, exigiam justiça pelas "execuções extrajudiciais" na violenta guerra antidrogas e criticavam a política externa de aproximação à China, a quem consideram que estão a ser vendidas as Filipinas.

"O país já sofreu demasiado com este governo. Estamos aqui a lutar pelos direitos fundamentais dos filipinos, estamos a lutar pela vida", disse à Efe uma estudante de 19 anos da Universidad Ateneo, que pediu para não ser identificada.

Os manifestantes concentraram-se ao longo da manhã no 'campus' da Universidade das Filipinas, no distrito de Quezon, e seguiram até à igreja de San Pedro onde segundo dados da polícia se terão juntado 15.000 pessoas.

Além de gritarem, em inglês e tagalo - uma das principais línguas das Filipinas -, contra o Presidente, há dois anos no cargo, alguns ativistas queimaram uma máscara com o rosto de Duterte e outros apresentaram-se amordaçados e caracterizados com sangue e feridas, para recordar as vítimas da campanha antidrogas.

Segundo as organizações de direitos humanos, além de 4.200 mortos em operações policiais, há que contabilizar 23.500 homicidios que estão a ser investigados, dos quais entre 12 a 15.000 serão assassinatos encobertos pelo clima de impunidade da campanha antidrogas.

De acordo com Cristina Palabay, secretária-geral da organização não-governamental Karapatan, os "programas de contrainsurreição do regime de Duterte" não acontecem apenas nos subúrbios das cidades, onde o problemas das drogas é mais sangrento, mas também chegam às comunidades rurais e indígenas.

Esse "assédio ao povo" implica, em números, que "o regime de Duterte mata uma média de duas pessoas por semana e prende 20 pessoas", disse Palabay.

Os grupos feministas também se destacaram no protesto, com numerosos cartazes que repudiam as atitudes misóginas e "repugnantes" de Duterte.

No discurso do Estado da Nação, o Presidente filipino comprometeu-se a, num prazo de 48 horas, assinar um pacto para acabar com o conflito separatista muçulmano na ilha de Mindanao, palco de um dos confrontos mais duradouros da região.

"Prometo solenemente que este Governo nunca negará aos nossos irmãos e irmãs muçulmanos os instrumentos legais básicos para traçar o seu próprio destino dentro da estrutura constitucional do nosso país", afirmou Duterte.

O Presidente, de 73 anos, disse ainda que o seu controverso combate contra as drogas "está longe de terminar" e garantiu que permanecerá "tão implacável e assustador como no primeiro dia".

"Se acham que eu posso ser dissuadido de continuar esta luta com os vossos protestos estão errados. Vocês preocupam-se com os direitos humanos. Eu preocupo-me com vidas humanas", afirmou, dirigindo-se aos ativistas que se manifestaram nas ruas.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.