McDonalds processa Florença por discriminação e pede 18 milhões

Cidade de Florença não aprova a construção de um restaurante da McDonalds na praça histórica. Autarca quer proteger "negócios tradicionais"

O McDonalds está a processar a cidade de Florença, Itália, por esta não permitir a construção de um restaurante na Piazza del Duomo, a mais visitada na cidade e uma das que mais atrai turistas no país. A cadeia de fast food pede 17,8 milhões de euros de indemnização.

A empresa norte-americana fez uma proposta em junho para poder instalar um dos seus restaurantes na praça de Florença, mas esta foi rejeitada pela câmara da cidade. Em julho, a rejeição foi apoiada por um painel técnico responsável por preservar o lado histórico de Florença.

O McDonalds alterou então os planos de construção, para estar de acordo com as guias da cidade, e mesmo assim o projeto não foi aprovado, segundo a BBC. A empresa interpretou a rejeição como um ato de discriminação.

"Nós concordamos totalmente que a herança cultural e artística e os centros históricos italianos têm de ser protegidos, assim como as tradições e as históricas lojas pequenas, mas não podemos aceitar regulamentos discriminatórios que prejudicam a liberdade de iniciativa privada sem trazerem vantagens para qualquer um", disse a empresa à BBC por comunicado.

"O McDonalds tem o direito de se candidatar porque isso é permitido pela lei mas nós também temos o direito de dizer não", disse o autarca de Florença, Dario Nardella, segundo o Guardian. O responsável afirmou que o objetivo é apoiar "negócios tradicionais" na área.

A cidade de Florença aprovou em janeiro deste ano novos regulamentos que pedem que os restaurantes no coração histórico da cidade usem "produtos típicos" da cidade ou da região da Toscana. Os responsáveis estavam preocupados com a rápida proliferação de restaurantes fast food e querem preservar a cultura italiana em Florença.

"Nós não temos qualquer preconceito" contra o McDonalds, continuou Nardella.

A Piazza del Duomo foi construída com o estilo arquitetónico gótico e renascentista e atrai milhares de turistas que visitam a cidade de Michelangelo.

No mês passado foi revelado que cardeais do Vaticano também estavam contra a construção d eum restaurante McDonalds perto da Praça de São Pedro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?