Matteo Salvini pode ir a julgamento por sequestro de refugiados

"Abusou de seus poderes, violando as convenções internacionais e privando os 174 migrantes a bordo de liberdade", acusa tribunal de Catania. Mas é preciso autorização do Senado para prosseguir para julgamento

Um Tribunal de Catania solicitou autorização para prosseguir com a acusação a Matteo Salvini pelo crime de sequestro no caso do navio Diciotti que transportava refugiados. O vice-primeiro-ministro italiano pode assim vir a ser julgado por impedir que 174 refugiados desembarcassem em Itália mas, para tal, é necessária a autorização do Senado italiano.

Em agosto, procuradores da Sicília colocaram Matteo Salvini, líder do partido de extrema-direita Liga Norte, sob investigação pelo alegado sequestro e detenção de 174 migrantes que impediu de desembarcar do navio italiano Ubaldo Diciotti.

O navio havia atracado por seis dias no porto siciliano de Catania, enquanto Salvini mantinha um impasse com a UE na tentativa de pressionar outros países membros a acolher os migrantes. A Igreja Católica, a Irlanda e a Albânia, que não é um estado da UE, acabaram por concordar em receber os imigrantes, na sua maioria da Eritreia.

"Posso enfrentar até 15 anos de prisão porque parei o desembarque de ilegais na Itália", reagiu Salvini no Facebook."Estou sem palavras. Estou com medo? De modo nenhum. Não vou desistir. Agora a decisão passará pelo Senado. Vamos ver como vai ser", acrescentou o também ministro do Interior.

Como Salvini é um ministro do governo, as acusações têm de ser apresentadas aos senadores, que deverão votar para que seja julgado ou para que o processo seja suspenso. Salvini disse estar confiante de que tinha o apoio dos senadores da Liga Norte. Mas o apoio de seus parceiros de coligação, o Movimento Cinco Estrelas, está menos garantido. Um dos princípios fundadores do movimento foi pedir sempre a renúncia de políticos sob investigação. Até ao ano passado, esse princípio estava inscrito nos estatutos como tentativa do partido de apresentar uma imagem limpa e distante da corrupção.

Mas hoje, enquanto se conhecia a decisão do tribunal de Catania, no Facebook, Luigi Di Maio, líder do 5 Estrelas, escreveu no Facebook: "O Ong Sea Watch, que está navegando para a Sicília, terá do governo italiano, se precisar, assistência médica e de saúde, após o que deve apontar a proa para Marselha e levar as pessoas a sair em solo francês, em vez de esperar em vão durante dias em águas italianas ".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.