Mais uma baixa no governo de May por causa do Brexit

Gareth Johnson, responsável por garantir a disciplina de voto no Parlamento, demitiu-se por não concordar com o acordo negociado por Brexit.

O conservador Gareth Johnson, um dos responsáveis por garantir a disciplina de voto no Parlamento britânico (whip, literalmente chicote), anunciou hoje a sua demissão, alegando que o acordo de Brexit negociado pela primeira-ministra Theresa May "impede-nos de recuperar o controlo e, em vez disso, pode deixar-nos perpetuamente constrangido pela União Europeia".

"Ao longo das últimas semanas, tentei conciliar as minhas funções de whip para ajudar o governo a implementar o Acordo de Saída Europeu com a minha objeção pessoal ao acordo", escreveu na carta enviada a May.

"Conclui que não posso, em consciência, apoiar a posição do Governo quando é óbvio que este acordo seria prejudicial aos interesses da nossa nação", acrescentou. "Chegou a altura de colocar a minha lealdade para com o meu país acima da lealdade para com o governo", acrescentou.

"Esperava que mudanças pudessem ser feitas para melhorar o acordo com a União Europeia, mas é agora claro para mim que nenhuma mudança significativa será feita a este acordo antes da votação ocorra", escreveu.

Os deputados britânicos votam esta terça-feira no acordo de saída do Reino Unido da União Europeia negociado por May com Bruxelas. A primeira-ministra britânica não tem garantido o apoio da maioria, tendo avisado hoje que se este for chumbado, pode nem haver Brexit.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.