Mais de 150 mortos devido às chuvas torrenciais no Japão

156 é o número provisório de mortes anunciado pelo Governo. Os desaparecidos podem aumentar as vítimas mortais

Mais de 150 pessoas morreram na sequência das chuvas torrenciais no Japão, as mais graves nos últimos 30 anos, de acordo com um novo balanço provisório do Governo nipónico divulgado esta terça-feira.

O novo balanço avançado pelo porta-voz do Governo aponta para 156 mortos, um número provisório uma vez que ainda continuam a ser feitas buscas na tentativa de encontrar dezenas de pessoas que estão desaparecidas.

De acordo com o porta-voz do Governo, Yoshihide Suga, "este é o pior desastre relacionado com as chuvas torrenciais no arquipélago desde 1982".

Yoshihide Suga avançou ainda que o primeiro-ministro, Shinzo Abe, vai visitar alguns dos locais afetados na quarta-feira.

As chuvas intensas registadas entre sexta-feira e domingo provocaram grandes inundações, deslizamentos de terra e outros danos, deixando isoladas muitas pessoas, que não puderam ou não quiseram abandonar as suas casas.

Na segunda-feira estavam empenhados cerca de 73.000 bombeiros, polícias e soldados percorreram as zonas mais afetadas.

"O número de desaparecidos continua a subir, sobretudo em Hiroshima, uma das zonas mais atingidas", afirmou.

Mais de quatro milhões de habitantes receberam ordens para abandonarem as suas casas, instruções nem sempre respeitadas por, às vezes, ser já impossível ou demasiado perigoso seguir essas ordens.

A situação levou o primeiro-ministro, Shinzo Abe, a cancelar uma viagem à Europa e Médio Oriente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?