Mais de 150 mortos devido às chuvas torrenciais no Japão

156 é o número provisório de mortes anunciado pelo Governo. Os desaparecidos podem aumentar as vítimas mortais

Mais de 150 pessoas morreram na sequência das chuvas torrenciais no Japão, as mais graves nos últimos 30 anos, de acordo com um novo balanço provisório do Governo nipónico divulgado esta terça-feira.

O novo balanço avançado pelo porta-voz do Governo aponta para 156 mortos, um número provisório uma vez que ainda continuam a ser feitas buscas na tentativa de encontrar dezenas de pessoas que estão desaparecidas.

De acordo com o porta-voz do Governo, Yoshihide Suga, "este é o pior desastre relacionado com as chuvas torrenciais no arquipélago desde 1982".

Yoshihide Suga avançou ainda que o primeiro-ministro, Shinzo Abe, vai visitar alguns dos locais afetados na quarta-feira.

As chuvas intensas registadas entre sexta-feira e domingo provocaram grandes inundações, deslizamentos de terra e outros danos, deixando isoladas muitas pessoas, que não puderam ou não quiseram abandonar as suas casas.

Na segunda-feira estavam empenhados cerca de 73.000 bombeiros, polícias e soldados percorreram as zonas mais afetadas.

"O número de desaparecidos continua a subir, sobretudo em Hiroshima, uma das zonas mais atingidas", afirmou.

Mais de quatro milhões de habitantes receberam ordens para abandonarem as suas casas, instruções nem sempre respeitadas por, às vezes, ser já impossível ou demasiado perigoso seguir essas ordens.

A situação levou o primeiro-ministro, Shinzo Abe, a cancelar uma viagem à Europa e Médio Oriente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.