Mais de 150 mortos devido às chuvas torrenciais no Japão

156 é o número provisório de mortes anunciado pelo Governo. Os desaparecidos podem aumentar as vítimas mortais

Mais de 150 pessoas morreram na sequência das chuvas torrenciais no Japão, as mais graves nos últimos 30 anos, de acordo com um novo balanço provisório do Governo nipónico divulgado esta terça-feira.

O novo balanço avançado pelo porta-voz do Governo aponta para 156 mortos, um número provisório uma vez que ainda continuam a ser feitas buscas na tentativa de encontrar dezenas de pessoas que estão desaparecidas.

De acordo com o porta-voz do Governo, Yoshihide Suga, "este é o pior desastre relacionado com as chuvas torrenciais no arquipélago desde 1982".

Yoshihide Suga avançou ainda que o primeiro-ministro, Shinzo Abe, vai visitar alguns dos locais afetados na quarta-feira.

As chuvas intensas registadas entre sexta-feira e domingo provocaram grandes inundações, deslizamentos de terra e outros danos, deixando isoladas muitas pessoas, que não puderam ou não quiseram abandonar as suas casas.

Na segunda-feira estavam empenhados cerca de 73.000 bombeiros, polícias e soldados percorreram as zonas mais afetadas.

"O número de desaparecidos continua a subir, sobretudo em Hiroshima, uma das zonas mais atingidas", afirmou.

Mais de quatro milhões de habitantes receberam ordens para abandonarem as suas casas, instruções nem sempre respeitadas por, às vezes, ser já impossível ou demasiado perigoso seguir essas ordens.

A situação levou o primeiro-ministro, Shinzo Abe, a cancelar uma viagem à Europa e Médio Oriente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.