"Maduro tornou Venezuela um dos países mais pobres do mundo"

Rex Tillerson acusou presidente venezuelano de roubar o próprio povo

O secretário de Estado dos Estados Unidos da América, Rex Tillerson, acusou hoje o Governo do Presidente Nicolás Maduro de "roubar o seu próprio povo", transformando a Venezuela num dos países mais pobres do mundo.

"Os venezuelanos morrem de fome. Os saques são comuns e os doentes não recebem a atenção médica que necessitam. O povo venezuelano sofre por causa de um regime corrupto que rouba o seu próprio povo. O regime de Maduro é o verdadeiro culpado e deve prestar contas", escreveu na sua conta do Twitter.

Segundo Rex Tillerson "a Venezuela encontra-se num acentuado contraste com um futuro de estabilidade que outros seguem no hemisfério".

"A grande tragédia é que podendo a Venezuela ser um dos países mais prósperos da região, é um dos mais pobres do mundo", frisou.

Por outro lado, sublinhou que os EUA continuarão "fazendo pressão contra o regime para que regresse aos processos democráticos que fizeram da Venezuela um grande país, no passado".

Segundo um comunicado do Departamento de Estado dos EUA, Rex Tillerson iniciou quinta-feira um périplo pelo México, Argentina, Perú, Colômbia e Jamaica.

Durante o périplo, que decorrerá até 07 de fevereiro, Rex Tillerson irá reunir-se com "parceiros regionais para promover um hemisfério seguro, próspero e democrático".

"Ao longo da viagem, o secretário Tillerson defenderá a crescente atenção regional à crise na Venezuela", sublinha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...