Lula inspira-se em Dom Pedro IV para criar o "dia do eu volto"

Em carta enviada ao líder do Sindicato dos Metalúrgicos, antigo presidente adapta "dia do fico" do rei português e imperador brasileiro, em 9 de Janeiro de 1822

O antigo presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Operação Lava-Jato, enviou ontem uma carta da prisão em Curitiba para o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, na grande São Paulo, a dizer que vai instituir o dia do "eu volto".

Uma alusão a 9 de Janeiro de 1822, dia histórico para o país sul-americano, por o então rei português Dom Pedro IV, que ficaria conhecido no Brasil como imperador Dom Pedro I, ter respondido "eu fico" às solicitações da coroa portuguesa para que voltasse a Lisboa.

"O imperador Dom Pedro I criou o "dia do fico" e eu vou criar o "dia do volto" para junto com o povo fazer o Brasil feliz outra vez" escreveu Lula a Wagner Santana, conhecido como Wagnão e líder do sindicato a que o próprio antigo chefe de estado presidiu nos anos 80.

"O imperador Dom Pedro I criou o "dia do fico" e eu vou criar o "dia do volto" para junto com o povo fazer o Brasil feliz outra vez"

"Diga bem alto para todo o mundo que sou candidato porque tenho certeza que vou recuperar o Brasil, recuperar empregos, salários, escolas, saúde, autoestima, dignidade e a soberania do nosso povo".

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."