"Little Foot": o esqueleto que revela as origens da nossa espécie

Cientistas acreditam que os ossos pertencem a uma menina que terá caído dentro de uma caverna. A descoberta prova que os nossos antepassados se espalharam por todo o continente africano

A equipa de investigadores passou vinte anos em escavações, e no processo de limpeza de reconstrução do esqueleto, que recebeu o nome de "Litte Foot". Os ossos foram expostos esta semana, em Joanesburgo, na África do Sul.

A idade do esqueleto, que foi encontrado nas cavernas sul-africanas, continua a ser debatida, mas os cientistas acreditam que possa ter cerca de 3,67 milhões de anos, o que significa que terá vivido 500 mil anos antes de Lucy, o famoso esqueleto encontrado na Etiópia.

"Little Foot" e Lucy pertencem ambos ao mesmo género - australopiteco -, mas são espécies diferentes.

A descoberta deste esqueleto mais antigo vem provar que os nossos ancestrais se espalharam por uma área muito maior de África, algo que a ciência desconhecia até agora. Sugere ainda que haveria um número maior de espécies.

"Little Foot" foi descoberto nas cavernas de Sterkfonteinm, uma cidade a noroeste de Joanesburgo. Os cientistas acreditam que se trata do esqueleto de uma criança do sexo feminino que terá caído num buraco de uma das cavernas.

"A descoberta parece pequena, mas pode ser muito importante. Porque tudo começou com um pequeno osso. E isso ajuda-nos a perceber as origens do esqueleto", disse o professor que lidera a investigação, Ron Clarke.

O esqueleto completo prova ainda que esta espécie é mais parecida connosco do que um macaco, com braços e mãos mais pequenas e que provavelmente dormia em árvores.

De que forma esta espécie se encaixa na nossa árvore genealógica é uma investigação que ainda não está completa, mas este é um esqueleto mais antigo e mais completo do que o de Lucy.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.