Líder da NRA diz que direito a ter armas é "garantido por Deus"

"As elites não se preocupam com o sistema de ensino americano nem com as crianças. O seu objetivo é eliminar a 2.ª Emenda e as nossas liberdades em relação às armas, para que possam erradicar todas as liberdades individuais", disse Wayne LaPierre

Uma semana após o massacre que vitimou mortalmente 17 pessoas numa escola secundária na Florida e que relançou o já antigo debate sobre armas nos EUA, o líder da NRA (Associação Nacional de Armas) Wayne LaPierre quebrou o silêncio, defendendo fortemente o direito às armas e atacando as elites que não querem que existam "liberdades individuais".

Durante a Conservative Political Action Conference (CPAC), uma conferência de cariz conservador, LaPierre avisou também que existe uma "agenda socialista" por trás daqueles que querem mais controlo no que toca às armas e às leis sobre as mesmas. O direito às armas, frisa, é "garantido por Deus a todos os americanos como direito de nascença".

Acrescentou também que "os oportunistas não perderam um segundo para explorar a tragédia para ganho político", referindo-se mais uma vez ao massacre da Florida.

"As elites não se preocupam com o sistema de ensino americano e com as crianças. O seu objetivo é eliminar a 2.ª Emenda e as nossas liberdades em relação às armas, para que possam erradicar todas as liberdades individuais", disse ainda Wayne LaPierre.

Em linha com a sugestão de Donald Trump de armar os professores "com treino militar", o líder da NRA disse que as "escolas têm de ser endurecidas e o mal deve ser confrontado com toda a força necessária para proteger as crianças".

"Para parar uma pessoa má com uma arma é preciso uma pessoa boa com uma arma", disse LaPierre no fim do discurso, repetindo uma frase que já utilizou aquando do massacre de Sandy Hook, em dezembro de 2012.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.