Líder da NRA diz que direito a ter armas é "garantido por Deus"

"As elites não se preocupam com o sistema de ensino americano nem com as crianças. O seu objetivo é eliminar a 2.ª Emenda e as nossas liberdades em relação às armas, para que possam erradicar todas as liberdades individuais", disse Wayne LaPierre

Uma semana após o massacre que vitimou mortalmente 17 pessoas numa escola secundária na Florida e que relançou o já antigo debate sobre armas nos EUA, o líder da NRA (Associação Nacional de Armas) Wayne LaPierre quebrou o silêncio, defendendo fortemente o direito às armas e atacando as elites que não querem que existam "liberdades individuais".

Durante a Conservative Political Action Conference (CPAC), uma conferência de cariz conservador, LaPierre avisou também que existe uma "agenda socialista" por trás daqueles que querem mais controlo no que toca às armas e às leis sobre as mesmas. O direito às armas, frisa, é "garantido por Deus a todos os americanos como direito de nascença".

Acrescentou também que "os oportunistas não perderam um segundo para explorar a tragédia para ganho político", referindo-se mais uma vez ao massacre da Florida.

"As elites não se preocupam com o sistema de ensino americano e com as crianças. O seu objetivo é eliminar a 2.ª Emenda e as nossas liberdades em relação às armas, para que possam erradicar todas as liberdades individuais", disse ainda Wayne LaPierre.

Em linha com a sugestão de Donald Trump de armar os professores "com treino militar", o líder da NRA disse que as "escolas têm de ser endurecidas e o mal deve ser confrontado com toda a força necessária para proteger as crianças".

"Para parar uma pessoa má com uma arma é preciso uma pessoa boa com uma arma", disse LaPierre no fim do discurso, repetindo uma frase que já utilizou aquando do massacre de Sandy Hook, em dezembro de 2012.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.