Líbia ou EUA? Afinal onde e qual foi a temperatura mais alta registada no planeta?

Durante muitos anos uma cidade da Líbia deteve o recorde. Mas foi anulado e o local mais quente do mundo passou a ser nos Estados Unidos

Durante muitos anos, o recorde da temperatura mais alta registada no mundo foi atribuído à cidade líbia de El Azizia, que a 13 de setembro de 1922 teria registado 58 graus. Este recorde esteve em vigor 90 anos, mas em 2012 a Organização Meteorológica Mundial (OMM) anulou esta marca.

A entidade realizou uma investigação e concluiu que a medição não foi feita com todos os detalhes e podia ter um erro até sete graus devido a vários fatores, que passavam pelo amadorismo dos técnicos da altura às características do solo.

A partir daqui, o recorde que perdura até hoje foi atribuído a Greenland Ranch, no Vale da Morte, na Califórnia, Estados Unidos, onde se registaram 56,7 graus no dia 10 de julho de 1913. A OMM diz que o valor pode ter sido influenciado por uma tempestade de areia.

Em 1972 registou-se no mesmo local, considerado o mais quente da Terra, mas ao nível do solo, uma temperatura de 93 graus. Mas esta medição também não foi oficializada, pois as medições oficiais requerem que a temperatura seja medida a 1,5 metros da superfície.

Apesar dos 56,7 graus estarem devidamente certificados, há quem não concorde. Um estudo do meteorologista Christopher Burt, um dos responsáveis pela anulação do registo da cidade líbia de El Azizia, considera que o registo de 1913 do Vale da Morte é um mito e que a temperatura correta naquele lugar e naquele dia seriam menos dois graus, ou seja, 54,7 graus.

Se este estudo fosse certificado e a temperatura fosse de facto menos dois graus, então existiriam dois sítios candidatos a deter o recorde da temperatura mais alta de sempre na terra. O Vale da Morte voltaria a figurar na lista, com 54 graus em junho de 2013, e também a cidade de Mitribah, no Kuwait, local onde a 21 de julho de 2016 se registou idêntica temperatura.

A temperatura mais alta alguma vez registada no Hemisfério Sul foi em Oodnadatta, na Austrália - 50.7°C em janeiro de 1960.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.