Líbia ou EUA? Afinal onde e qual foi a temperatura mais alta registada no planeta?

Durante muitos anos uma cidade da Líbia deteve o recorde. Mas foi anulado e o local mais quente do mundo passou a ser nos Estados Unidos

Durante muitos anos, o recorde da temperatura mais alta registada no mundo foi atribuído à cidade líbia de El Azizia, que a 13 de setembro de 1922 teria registado 58 graus. Este recorde esteve em vigor 90 anos, mas em 2012 a Organização Meteorológica Mundial (OMM) anulou esta marca.

A entidade realizou uma investigação e concluiu que a medição não foi feita com todos os detalhes e podia ter um erro até sete graus devido a vários fatores, que passavam pelo amadorismo dos técnicos da altura às características do solo.

A partir daqui, o recorde que perdura até hoje foi atribuído a Greenland Ranch, no Vale da Morte, na Califórnia, Estados Unidos, onde se registaram 56,7 graus no dia 10 de julho de 1913. A OMM diz que o valor pode ter sido influenciado por uma tempestade de areia.

Em 1972 registou-se no mesmo local, considerado o mais quente da Terra, mas ao nível do solo, uma temperatura de 93 graus. Mas esta medição também não foi oficializada, pois as medições oficiais requerem que a temperatura seja medida a 1,5 metros da superfície.

Apesar dos 56,7 graus estarem devidamente certificados, há quem não concorde. Um estudo do meteorologista Christopher Burt, um dos responsáveis pela anulação do registo da cidade líbia de El Azizia, considera que o registo de 1913 do Vale da Morte é um mito e que a temperatura correta naquele lugar e naquele dia seriam menos dois graus, ou seja, 54,7 graus.

Se este estudo fosse certificado e a temperatura fosse de facto menos dois graus, então existiriam dois sítios candidatos a deter o recorde da temperatura mais alta de sempre na terra. O Vale da Morte voltaria a figurar na lista, com 54 graus em junho de 2013, e também a cidade de Mitribah, no Kuwait, local onde a 21 de julho de 2016 se registou idêntica temperatura.

A temperatura mais alta alguma vez registada no Hemisfério Sul foi em Oodnadatta, na Austrália - 50.7°C em janeiro de 1960.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.