Libertada depois de passar 15 anos presa por ter sofrido aborto

A salvadorenha, de 34 anos, foi encarcerada quando tinha 19. Quer estudar Direito para poder "perceber" aquilo que lhe aconteceu e ajudar outras mulheres

Maira Figueroa tem 34 anos e foi esta terça-feira libertada da cadeia depois de ter passado quase metade da sua vida numa cela, em El Salvador. A mulher esteve 15 anos presa por ter sofrido um aborto. Tinha sido condenada a 30 anos por homicídio agravado, mas a pena foi reduzida. O aborto é proibido no país, em qualquer circunstância.

Maira Verónica Figueroa Marroquín, que foi detida quando tinha apenas 19 anos, clamou sempre a sua inocência. A mulher alega que sofreu um aborto espontâneo quando estava na casa onde trabalhava como empregada doméstica, em 2003. Na altura, foi transportada para o hospital, presa e condenada por ter induzido o aborto.

Além dos pais, vários jornalistas e ativistas esperavam a saída de Maira Figueroa, junto à prisão de Ilopango, perto da capital de San Salvador.

"Estou feliz por estar com a minha família", disse a mulher, citada pela BBC. "Quero estudar Direito para entender o que aconteceu comigo e ajudar outras mulheres", acrescentou Figueroa.

A antiga empregada doméstica quer "começar de novo e compensar o tempo perdido", agora que saiu do Centro de Reabilitação de Mulheres Ilopango.
Maira Figueroa é a segunda mulher a quem, em 2018, o Supremo Tribunal reduziu a pena pelo crime de aborto.

Teodora Vásquez, de 35 anos, viu a sua pena ser reduzida e saiu da cadeia ao fim de dez anos. O seu bebé foi encontrado morto e ela foi condenada por homicídio.

El Salvador é um dos poucos países do mundo onde os abortos são completamente proibidos e cujas mulheres enfrentam penas pesadas.

A sentença pode ir até oito anos de prisão, mas nos casos em que o feto ou o recém-nascido morre, a pena é alterada e a mulher é sentenciada por homicídio agravado, com uma pena de prisão mínima de 30 anos.

Os médicos são obrigados a informar as autoridades se considerarem que uma mulher tentou acabar com a gravidez. Se não o fizerem, eles mesmos podem ser condenados e passar um longo tempo na prisão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.