Libertada depois de passar 15 anos presa por ter sofrido aborto

A salvadorenha, de 34 anos, foi encarcerada quando tinha 19. Quer estudar Direito para poder "perceber" aquilo que lhe aconteceu e ajudar outras mulheres

Maira Figueroa tem 34 anos e foi esta terça-feira libertada da cadeia depois de ter passado quase metade da sua vida numa cela, em El Salvador. A mulher esteve 15 anos presa por ter sofrido um aborto. Tinha sido condenada a 30 anos por homicídio agravado, mas a pena foi reduzida. O aborto é proibido no país, em qualquer circunstância.

Maira Verónica Figueroa Marroquín, que foi detida quando tinha apenas 19 anos, clamou sempre a sua inocência. A mulher alega que sofreu um aborto espontâneo quando estava na casa onde trabalhava como empregada doméstica, em 2003. Na altura, foi transportada para o hospital, presa e condenada por ter induzido o aborto.

Além dos pais, vários jornalistas e ativistas esperavam a saída de Maira Figueroa, junto à prisão de Ilopango, perto da capital de San Salvador.

"Estou feliz por estar com a minha família", disse a mulher, citada pela BBC. "Quero estudar Direito para entender o que aconteceu comigo e ajudar outras mulheres", acrescentou Figueroa.

A antiga empregada doméstica quer "começar de novo e compensar o tempo perdido", agora que saiu do Centro de Reabilitação de Mulheres Ilopango.
Maira Figueroa é a segunda mulher a quem, em 2018, o Supremo Tribunal reduziu a pena pelo crime de aborto.

Teodora Vásquez, de 35 anos, viu a sua pena ser reduzida e saiu da cadeia ao fim de dez anos. O seu bebé foi encontrado morto e ela foi condenada por homicídio.

El Salvador é um dos poucos países do mundo onde os abortos são completamente proibidos e cujas mulheres enfrentam penas pesadas.

A sentença pode ir até oito anos de prisão, mas nos casos em que o feto ou o recém-nascido morre, a pena é alterada e a mulher é sentenciada por homicídio agravado, com uma pena de prisão mínima de 30 anos.

Os médicos são obrigados a informar as autoridades se considerarem que uma mulher tentou acabar com a gravidez. Se não o fizerem, eles mesmos podem ser condenados e passar um longo tempo na prisão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.