Libertada depois de passar 15 anos presa por ter sofrido aborto

A salvadorenha, de 34 anos, foi encarcerada quando tinha 19. Quer estudar Direito para poder "perceber" aquilo que lhe aconteceu e ajudar outras mulheres

Maira Figueroa tem 34 anos e foi esta terça-feira libertada da cadeia depois de ter passado quase metade da sua vida numa cela, em El Salvador. A mulher esteve 15 anos presa por ter sofrido um aborto. Tinha sido condenada a 30 anos por homicídio agravado, mas a pena foi reduzida. O aborto é proibido no país, em qualquer circunstância.

Maira Verónica Figueroa Marroquín, que foi detida quando tinha apenas 19 anos, clamou sempre a sua inocência. A mulher alega que sofreu um aborto espontâneo quando estava na casa onde trabalhava como empregada doméstica, em 2003. Na altura, foi transportada para o hospital, presa e condenada por ter induzido o aborto.

Além dos pais, vários jornalistas e ativistas esperavam a saída de Maira Figueroa, junto à prisão de Ilopango, perto da capital de San Salvador.

"Estou feliz por estar com a minha família", disse a mulher, citada pela BBC. "Quero estudar Direito para entender o que aconteceu comigo e ajudar outras mulheres", acrescentou Figueroa.

A antiga empregada doméstica quer "começar de novo e compensar o tempo perdido", agora que saiu do Centro de Reabilitação de Mulheres Ilopango.
Maira Figueroa é a segunda mulher a quem, em 2018, o Supremo Tribunal reduziu a pena pelo crime de aborto.

Teodora Vásquez, de 35 anos, viu a sua pena ser reduzida e saiu da cadeia ao fim de dez anos. O seu bebé foi encontrado morto e ela foi condenada por homicídio.

El Salvador é um dos poucos países do mundo onde os abortos são completamente proibidos e cujas mulheres enfrentam penas pesadas.

A sentença pode ir até oito anos de prisão, mas nos casos em que o feto ou o recém-nascido morre, a pena é alterada e a mulher é sentenciada por homicídio agravado, com uma pena de prisão mínima de 30 anos.

Os médicos são obrigados a informar as autoridades se considerarem que uma mulher tentou acabar com a gravidez. Se não o fizerem, eles mesmos podem ser condenados e passar um longo tempo na prisão.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.