Leia aqui o manifesto para a democratização da Europa

Precisamos de reduzir a desigualdade dentro dos países, não entre eles, e investir no futuro de todos os europeus. Saiba mais sobre a proposta em www.tdem.eu

Desde a eleição de governos antieuropeus em toda a UE, e com a aproximação do brexit, deixou de ser possível continuar como antes. Não podemos simplesmente esperar pelas próximas partidas ou por mais desmantelamento ainda, sem fazer mudanças fundamentais na Europa atual. O nosso continente está preso entre movimentos políticos cujo programa se limita à perseguição de estrangeiros e refugiados por um lado, e, por outro, aqueles que afirmam ser europeus, mas na realidade continuam a considerar que o liberalismo puro e duro e a propagação da concorrência são suficientes para definir um projeto político. Eles não reconhecem que essa falta de ambição social é o que leva a sentimentos de abandono.

Existem alguns movimentos que tentam acabar com esse diálogo fatal e abordar os problemas estruturais que surgiram após uma década de crise económica. Não faltam estas situações críticas especificamente europeias: o subinvestimento estrutural no setor público, particularmente em formação e investigação, o aumento da desigualdade social, a aceleração do aquecimento global e uma crise no acolhimento de migrantes e refugiados. Mas esses movimentos têm muitas vezes dificuldade em formular um projeto alternativo coerente e em descrever precisamente como gostariam de organizar a Europa do futuro.

É por isso que nós, cidadãos europeus de diferentes origens e países, lançamos hoje este apelo para a transformação profunda das instituições e políticas europeias. O nosso manifesto contém propostas concretas, em particular um projeto para um tratado de democratização e um projeto orçamental, e tornamos tudo isso público. As nossas ideias podem não ser perfeitas, mas têm o mérito de existir. O público pode aceder a elas e melhorá-las. Baseiam-se numa simples convicção: a Europa deve construir um novo modelo para garantir o desenvolvimento social justo e duradouro dos seus cidadãos. A única maneira de os persuadir é abandonar promessas vagas e teóricas. Se a Europa quer restabelecer a solidariedade com os seus cidadãos, só o pode fazer fornecendo provas concretas de que é capaz de estabelecer cooperação e de fazer com que aqueles que ganharam com a globalização contribuam para o financiamento a bem do sector público. Isso significa fazer com que as grandes empresas contribuam mais do que as pequenas e médias empresas, e que os contribuintes mais ricos paguem mais do que os contribuintes mais pobres. Não é isso que está a acontecer hoje.

As nossas propostas baseiam-se na criação de um orçamento para a democratização que seria debatido e votado por uma nova assembleia europeia soberana. Isso permitirá finalmente à Europa equipar-se com uma instituição pública capaz de enfrentar imediatamente as crises na Europa e de produzir um conjunto de bens e serviços públicos fundamentais no quadro de uma economia duradoura e solidária. A promessa feita no tratado de Roma de "harmonização das condições de vida e de trabalho" tornar-se-á finalmente significativa.

Esse orçamento, se a assembleia europeia assim o desejar, será financiado por quatro grandes impostos europeus, os marcadores tangíveis desta solidariedade europeia. Estes aplicar-se-ão aos lucros das grandes empresas, aos rendimentos mais elevados (mais de 200 000 € por ano), aos maiores proprietários de riqueza (mais de 1 milhão de euros) e às emissões de carbono (com um preço mínimo de 30 € por tonelada). Se for fixado em 4% do PIB, como propomos, este orçamento poderia financiar investigação, formação e as universidades europeias, um ambicioso programa de investimento para transformar o nosso modelo de crescimento económico, o financiamento do acolhimento e integração de migrantes, e o apoio aos envolvidos na realização dessa transformação. Poderia também dar alguma margem de manobra orçamental aos Estados-membros para reduzir a tributação regressiva que pesa sobre salários ou consumo.

A questão aqui não é a de criar uma transferência de pagamentos em toda a Europa tirando dinheiro dos países "virtuosos" para dar aos que o são menos. O projeto limita a diferença entre a despesa deduzida e a renda paga por um país a um limiar de 0,1% do seu PIB - isso só poderia ser aumentado se houvesse consenso para tal. Este limiar pode ser aumentado caso haja consenso, mas a questão é principalmente reduzir a desigualdade dentro dos países, não entre eles, e investir no futuro de todos os europeus. Mas esses cálculos excluem gastos que beneficiam igualmente todos os países, como a ação sobre as mudanças climáticas. Porque irá financiar bens públicos europeus que beneficiam todos os países, o orçamento para a democratização também promoverá a convergência entre os países.

Porque temos de agir com rapidez, mas também temos de tirar a Europa do presente impasse tecnocrático, propomos a criação de uma assembleia europeia. Isto permitirá que estes novos impostos europeus sejam debatidos e votados assim como o orçamento para a democratização. Esta assembleia europeia pode ser criada sem mudar os tratados europeus existentes.

A assembleia teria, evidentemente, de comunicar com as atuais instituições de decisão (em particular o Eurogrupo, no qual os ministros das Finanças da zona euro se encontram informalmente todos os meses). Mas, em casos de desacordo, a assembleia teria a palavra final. Caso contrário, a sua capacidade para ser um lugar para um novo espaço político transnacional, onde partidos, movimentos sociais e ONGs tivessem finalmente possibilidade de se expressar, seria comprometida. De igual modo, a sua eficácia, uma vez que a questão é a de libertar a Europa da eterna inércia das negociações intergovernamentais, estaria em jogo. Devemos ter em mente que a regra da unanimidade orçamental em vigor na União Europeia bloqueou durante anos a adoção de qualquer imposto europeu e sustenta a eterna evasão fiscal levada a cabo pelos mais ricos e com maior mobilidade, uma prática que continua até hoje apesar de todos os discursos. Isso continuará se não forem estabelecidas outras regras de tomada de decisão.

Dado que uma assembleia europeia recém-criada teria a capacidade de adotar impostos e afetar o cerne dos pactos democrático, fiscal e social dos Estados, os parlamentares nacionais e europeus devem ser fundamentais. É por isso que propomos, no Tratado de democratização disponível online, que 80% dos membros da assembleia europeia sejam oriundos dos parlamentos nacionais, com 20% do atual Parlamento Europeu. Essa escolha merece mais discussão. Em particular, o nosso projeto também poderia funcionar com uma proporção menor de parlamentares nacionais (por exemplo, 50%), mas, em nossa opinião, uma redução excessiva desta proporção poderia diminuir a legitimidade da assembleia europeia em envolver todos os cidadãos europeus na direção de um novo pacto social e orçamental, e os conflitos de legitimidade democrática entre as eleições nacionais e europeias poderiam debilitar rapidamente o projeto.

Assim, as eleições nacionais serão de facto transformadas em eleições europeias. Os membros eleitos nacionais já não poderão simplesmente transferir a responsabilidade para Bruxelas e não terão outra opção senão explicar aos eleitores os projetos e orçamentos que pretendem defender na assembleia europeia. Ao reunir os parlamentares nacionais e europeus numa única assembleia, serão criados hábitos de cogovernação que atualmente só existem entre chefes de Estado e ministros das Finanças.

Agora temos de agir rapidamente. Embora fosse preferível que todos os países da UE aderissem ao projeto sem demora - especialmente os quatro maiores países da zona euro (que representam mais de 70% do PIB e da população) -, ele foi concebido para ser adotado e implementado por qualquer conjunto de países que deseje fazê-lo. Ele permite que aqueles que desejam progredir imediatamente adotando esse projeto, o façam prontamente. Todos nós devemos assumir as nossas responsabilidades de participar numa discussão detalhada e construtiva sobre o futuro da Europa, para que o nosso continente não se afunde ainda mais numa fragmentação prejudicial.

Thomas Piketty é professor na Paris School of Economics

Outros signatários: Sébastien Adalid, Michel Aglietta, Nacho Álvarez, Julie Bailleux, Marija Bartl, Pedro Bacelar de Vasconcelos, Marie-Layre Basilien-Gainche, Myriam Benlolo Carabot, Loïc Blondiaux, Karolina Borońska, Andreas Botsch, Patrick Boucheron, Emmanuel Bouju, Begnina Boza Beijo, Hauke ​​Brunkhorst, Bojan Bugarič, Klaus Busch, Julia Cagé, Lucas Chancel, Christophe Charle, Christian Chavagneux, Amandine Crespy, Fabio De Masi, Delatte Anne-Laure, Donatella Della Porta, Yves Deloye, Paul Dermine, Brigitte Dormont, Guillaume Duval, Susanne Elsen, Emanuele Ferragina, Bastien François, Philippe Frémeaux, Diane Fromage, Miguel Gotor, Julien Grenet, Ulrike Guérot, Gabor Halmai, Pierre-Cyrille Hautcoeur, Stéphanie Hennette, Rudolf Hickel, Mario Hübler, Élise Huillery, Simon Ilse, Liora Israel, Michael Jacobs, Yannick Jadot, Luis Jimena Quesada, Christian Joerges, Kädtler Jürgen, Iphigénie Kamtsidou, Jakob Kapeller, Pascale Laborier, Justine Lacroix, Sylvie Lambert, Camille Landais, Sandra Laugier, Rémi Lefebvre, Steffen Lehndorff, Nicolas Leron, Ulrike Liebert, Pascal Lokiec, Philippe Maddalon, Mikael Madsen, Paul Magnette, Maria Malatesta, Francesco Martucci, Frédérique Matonti, Dominique Meda, Robert Menasse, Sophie Meunier, Zoltan Miklosi, Eric Millard, Robert Misik, Éric Monnet, Alberto Montero, Daniel Mouchard, Ulrich Mückenberger, Jan-Wener Muller, Olivier Nay, Sighard Neckel, Fernanda Nicola, Silke Ötsch, Walter Ötsch, Bruno Palier, Mazarine Pingeot, Martin Pombo, Sébastien Platon, Thomas Porcher, Christophe Prochasson, Thomas Ribemont, Julie Ringelheim, Daniel Roche, Pierre Rosanvallon, Ruth Rubio Marin, Guillaume Sacriste, Emmanuel Saez, Gisele Sapiro, Francesco Saraceno, Thomas Sauer, Patrick Savidan, Frédéric Sawicki, Axel Schäffer, Alan Scott, Thomas Sterner, Julien Talpin, Stéphane Troussel, Laurence Tubiana, Boris Vallaud, Fernando Vasquez, Antoine Vauchez, Brigitte Young e Gabriel Zucman.

Saiba mais sobre a proposta em www.tdem.eu

Ler mais

Exclusivos