Laurent tem 8 anos, acabou o secundário e vai para a universidade

Menino belga fez o secundário num ano e meio.

Para Laurent Simons como para muitos alunos, as aulas são muitas vezes aborrecidas. Mas no caso deste rapaz belga de oito anos o motivo não é aquele em que está a pensar. "Por vezes os outros alunos demoravam muito a responder, por isso eu respondia por eles", explicou ao microfone da rádio VRT.

A verdade é que apesar de ter apenas 8 anos, Laurent acaba de completar o secundário - fez os seis anos em ano e meio - e, passados os dois meses de férias que se prepara para gozar, vai dar entrada na universidade.

Nascido em Ostende, Lauren tem um QI de 145 - o patamar do génio está nos 140 e, para termos um ponto de comparação Einstein e Stephen Hawking tinham ambos um QI de 160. Na Bélgica os números mostram que 2,5% da população tem "alto potencial", ou seja um QI acima dos 130.

Diferentes dos outros

Os pais de Laurent garantem que cedo perceberam que o filho era diferente dos outros meninos. À televisão RTBF o pai explicou: "Para ele era difícil brincar com as outras crianças. Fica a observar o que se passava. Fazia as coisas de forma diferente. Não sabia o que fazer com os brinquedos".

Hoje, a Matemática é a sua disciplina favorita, mas ainda não sabe o que quer ser quando for grande. Cirurgião, astronauta, foram profissões que o interessaram. Agora, está virado para os computadores. "Mas se ele amanhã decidir que quer ser carpinteiro, não temos problemas com isso. Desde que ele seja feliz", garante o pai à RTBF.

O próprio Laurent explica: "A minha disciplina favorita é a Matemática. Porque é muito vasta. Há estatística, álgebra. Há muitos caminhos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".