Turquia prepara investigação internacional sobre morte de Khashoggi

A Turquia está a preparar-se para dar início a uma investigação internacional sobre o assassínio do jornalista saudita Jamal Khashoggi, anunciou o ministro dos Negócios Estrangeiros turco, Mevlut Cavusoglu.

Em declarações à agência estatal Anadolu, esta segunda-feira, o ministro dos Negócios Estrangeiros turco, Mevlut Cavusoglu, indicou que a Turquia está a preparar as bases para uma investigação e que em breve adotará as "medidas necessárias", mas não forneceu mais pormenores.

A 2 de outubro, o jornalista Jamal Khashoggi, que morava nos Estados Unidos, entrou no consulado da Arábia Saudita em Istambul, na Turquia, com o objetivo de tratar de alguns documentos para poder casar-se com uma cidadã turca.

O jornalista não voltou a sair do consulado, onde foi morto por agentes sauditas, que saíram da Turquia e retornaram à Arábia Saudita logo após o assassínio do jornalista.

A justiça da Arábia Saudita indiciou 11 pessoas pela morte de Khashoggi e anunciou, na semana passada, que pedirá a pena de morte para cinco delas.

A Turquia pediu à Arábia Saudita a extradição dos suspeitos e já admitira que poderia pedir uma investigação internacional sobre o caso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.