Juíza decreta prisão de oito ex-membros do governo catalão

Carmen Lamela aceitou o pedido da procuradoria, alegando risco de fuga, lembrando os ex-membros do governo que deixaram o país.

A juíza da Audiência Nacional, Carmen Lamela, aceitou o pedido da procuradoria espanhola e decretou a prisão sem direito a fiança para oito dos nove ex-membros do governo catalão que ouviu esta manhã.

Só Santi Vila, que se demitiu 24 horas antes da declaração unilateral de independência da Catalunha, pode evitar a prisão com o pagamento de uma fiança de 50 mil euros. Será detido até que o valor seja depositado.

Entre os que terão que aguardar a continuação do processo na prisão está o ex-vice-presidente da Generalitat, Oriol Junqueras. Todos estão acusados de rebelião, sedição e peculato na organização do referendo de 1 de outubro (ilegalizado pelo Tribunal Constitucional) e consequente declaração unilateral de independência.

A juíza alega que havia risco de continuarem a cometer o crime se ficassem em liberdade, assim como de destruição de provas. Também fala do perigo de fuga dado o alto poder de compra dos arguidos e o facto de o ex-presidente da Generalitat, Carles Puigdemont, e outros quatro ex-membros do governo catalão, terem deixado o país. Falta saber se a juíza emite, como pede a procuradoria, um mandato de detenção europeu contra eles.

"A ação dos arguidos foi meditada e perfeitamente preparada e organizada, reiterando durante mais de dois anos no incumprimento sistemático das resoluções do Tribunal Constitucional em prol da independência", escreveu no auto a juíza.

Além de Junqueras, serão detidos o ex-conseller (membro do governo catalão) Raül Romeva (Assuntos Internacionais), Jordi Turull (Presidência), Meritxell Borrás (Governação), Josep Rull (Território), Carles Mundó (Justiça), Joaquim Forn (Interior) e Dolors Bassa (Trabalho).

Os dois primeiros irão para a prisão de Valdemoro, Rull para Navalcarnero, Mundó para a de Aranjuez, Forn e Junqueras irão para Estremera. As duas ex-conselheiras, Borrás e Bassa, vão para a prisão de Alcalá Meco. Todas as prisões são na província de Madrid.

Nenhum vai para a prisão de Soto Real, nos arredores de Madrid, onde já estão detidos os líderes das organizações independentistas Assembleia Nacional Catalã, Jordi Sànchez, e Òmnium Cultural, Jordi Cuixart. Estas organizações já convocaram manifestações para as 19.00 (18.00 em Lisboa), diante do Parlamento catalão e nas principais praças das cidades da Catalunha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.