Juiz sueco liberta A$AP Rocky e Trump diz que ele já está a caminho dos EUA

O rapper estava detido por suspeita de agressão e o juiz decidiu que podia aguardar em liberdade o veredicto do tribunal, no dia 14. Presidente dos EUA, que fez pressão junto do governo sueco para que fosse libertado, congratulou-se no Twitter.

O juiz sueco responsável pelo caso do rapper norte-americano A$AP Rocky ordenou a libertação do artista esta sexta-feira, dizendo que podia aguardar em liberdade o veredicto no processo por agressão, que será conhecido no dia 14 de agosto. Mas, segundo o presidente norte-americano, Donald Trump, ele não vai aguardar na Suécia o resultado do processo, estando já a caminho dos EUA.

"A$AP Rocky foi libertado da prisão e está a caminho de casa nos EUA vindo da Suécia", escreveu o presidente, que fez depois um trocadilho com o nome do rapper. "Foi uma semana agitada [rocky], vem para casa ASAP [rápido] A$AP", acrescentou.

O rapper declarou-se inocente das acusações de agressão na abertura do processo, na terça-feira. Segundo o seu advogado Slobodan Jovicic, o Rakim Mayers (o nome verdadeiro do artista), "atuou em autodefesa", admitindo que "atirou a vítima, de 19 anos, ao chão, bateu-lhe no braço e deu-lhe um murro ou empurrou o ombro".

Os procuradores suecos pedem uma pena de prisão de seis meses para o rapper e dois dos membros da sua equipa, que estão a ser julgados.

A rixa ocorreu no dia 30 de junho e A$AP Rocky, de 30 anos, foi detido no dia 3 de julho depois de um concerto, juntamente com outras três pessoas, pertencentes à sua equipa. No dia 5 de julho, o tribunal ordenou a entrada dos três arguidos na prisão, alegando que havia "risco de fuga" para o exterior.

Desde então, o presidente norte-americano expressou o seu descontentamento com a Suécia e pediu a libertação do artista. "Fazemos tanto pela Suécia, mas não parece que seja recíproco", escreveu Trump no Twitter, numa publicação em que exigia a libertação do rapper, tendo-a pedido diretamente ao primeiro-ministro sueco, Stefan Löfven.

A$AP Rocky, artista de hip-hop nova-iorquino, começou a sua carreira em 2011, com o lançamento do álbum "Live, Love, ASAP".

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.