Juiz absolve ex-arcebispo australiano acusado de encobrir caso de pedofilia

Philip Wilson, de 68 anos, tinha sido condenado por um tribunal de Newcastle a pelo menos seis meses de prisão domiciliária, depois de ser considerado culpado de encobrir o abuso sexual repetido de duas crianças, nos anos de 1970.

Um juiz australiano absolveu hoje o ex-arcebispo de Adelaide Philip Wilson, aceitando o recurso à sentença de um ano de prisão domiciliária, decretada por supostamente encobrir um caso de pedofilia.

Philip Wilson, de 68 anos, tinha sido condenado por um tribunal de Newcastle a pelo menos seis meses de prisão domiciliária, depois de ser considerado culpado de encobrir o abuso sexual repetido de duas crianças, nos anos de 1970, pelo padre James Fletcher, com quem colaborava na diocese de Maitland-Newcastle.

Agora, o juiz Roy Ellis, do tribunal distrital de Newcastle, no estado de Nova Gales do Sul, revogou a sentença decretada pelo tribunal de primeira instância, por considerar que a acusação não podia provar, além de qualquer dúvida razoável, a responsabilidade do prelado.

Em finais de julho, o papa Francisco aceitou a renúncia de Wilson.

A Igreja Católica, com forte presença na Austrália, recebeu mais de 4.500 queixas por alegados abusos cometidos por mais de 1.800 membros da instituição, entre 1980 e 2015, embora alguns casos datem dos anos de 1920.

No início deste ano, vários arcebispos australianos condenaram a fraca resposta da Igreja Católica aos casos de pedofilia, o que classificaram de "negligência criminosa".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?