Ainda nem pode votar. Jovem de 14 anos é candidato a governador nos EUA

Ethan Sonnebord vai concorrer esta terça-feira às eleições primárias do Partido Democrata no estado de Vermont, que não tem restrições quanto a idade

Um jovem norte-americano de 14 anos, Ethan Sonnebord, é candidato do Partido Democrata ao cargo de governador do estado de Vermont.

Ao contrário do que acontece na maioria dos estados nos Estados Unidos, naquele estado não existe qualquer tipo de requisitos relacionados com idade. E Sonneborn, que viveu durante toda a vida na povoação de Bristol, é elegível.

O jovem democrata formalizou a sua candidatura em agosto do ano passado e contou com a ajuda dos pais. O secretário de estado do Vermont consultou o procurador-geral e decidiram que o rapaz teria permissão para concorrer se os progenitores assinassem um formulário em que reconheciam que sabiam que ele estava a concorrer e não se opunham. E os pais assinaram.

Seguiu-se a recolha das assinaturas necessárias, entregues em maio. Agora, na próxima terça-feira, Sonnebord vai a votos nas eleições primárias do Partido Democrata para a eleição ao mais alto cargo da estado.

Segundo o The Washington Post, Ethan Sonnebord provavelmente não será bem-sucedido, mas o adolescente mantém a confiança. "A minha campanha transcende a idade", vincou, enquanto se preparava para um debate.

Ethan Sonnebord, porém, não é caso único nos Estados Unidos. Também em Vermont, um jovem de 16 anos, Finnian Boardman Abbey, está a concorrer ao senado. No Kansas, outros jovens candidatos concorreram a governador.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.