Jovem boxeur português assassinado em Londres

Wilham Mendes, 25 anos, vivia na capital britânica desde 2015 e foi esfaqueado várias vezes na madrugada de sábado, na zona norte da cidade. A polícia prendeu dois adolescentes de 15 anos como suspeitos do crime, que creem ter ocorrido no contexto de um roubo.

Passavam 20 minutos da uma da manhã de sábado quando a polícia foi alertada pelos serviços de emergência para um esfaqueamento na zona norte de Londres. No local -- Albert Place, uma rua estreita que faz a ligação entre High Road Tottenham e Stoneleigh Road -- encontraram um homem com múltiplos ferimentos. Identificado como Wilham Mendes, 25 anos, de nacionalidade portuguesa, foi transportado para o hospital, onde foi declarado morto às 2.13. Dois rapazes de 15 anos foram detidos e acusados do homicídio, que terá ocorrido no contexto de um assalto.

Mendes, segundo a informação policial, vivia desde 2015 na cidade, na zona onde foi atacado, e era um boxeur promissor.

A identidade dos dois presumíveis homicidas não foi revelada devido à sua idade. O responsável pela investigação, o inspetor Glen Lloyd, declarou que apesar dessas duas detenções, a investigação continua e quem possa ajudar deve contactar a polícia. "No centro da nossa investigação, está a perda da inocente e promissora vida de um jovem brutalmente assassinado em plena rua. O mais pequeno detalhe pode ser importante. A informação pode ser vital para a nossa investigação e ajudar a confirmar a informação que já temos."

Lloyd endereçou também os seus sentimentos à família do morto: "Os nossos pensamentos estão com os familiares de Wilham, que estão a sofrer com esta perda num momento que devia ser de alegria."

Os adolescentes indiciados serão presentes a tribunal a 26 de dezembro.

"No centro da nossa investigação, está a perda da inocente e promissora vida de um jovem brutalmente assassinado em plena rua. Os nossos pensamentos estão com os familiares de Wilham, que estão a sofrer com esta perda num momento que devia ser de alegria."

A idade de imputabilidade criminal em Inglaterra (assim como Gales e Irlanda do Norte) é, aos 10 anos, das mais baixas da Europa, onde a média é de 14 anos (Portugal está no grupo que fixa a idade mais alta, 16). Quer na Inglaterra quer em Gales é possível prender crianças e jovens entre os 10 e os 17 anos e levá-las a tribunal. O tipo de tribunal e de sentença, porém, não é idêntico aos dos adultos.

Apesar das repetidas críticas do Comité dos Direitos da Criança da ONU, esta definição legal, que existe desde 1963, não foi alterada. Considera-se que o homicídio de James Bulger, de dois anos, em fevereiro de 1993, por dois rapazes de dez, será um dos principais motivos para a sua manutenção. Os homicidas, Robert Thompson e Jon Venables foram julgados em novembro e condenados a detenção por tempo indeterminado por aquilo que o juiz qualificou com "um ato de barbaridade e maldade sem paralelo".

Os dois raptaram o bebé quando estava com a mãe num centro comercial e levaram-no para uma linha férrea onde o espancaram com tijolos e uma barra de ferro depois de o terem molestado sexualmente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.