Jon Stewart ajuda a resgatar duas cabras no metro de Nova Iorque

Animais foram capturados pelas autoridades e encaminhados para um abrigo

Quem utilizou o metro de Nova Iorque na manhã da última segunda-feira pode ter-se deparado com problemas na circulação. A razão? A presença de duas cabras da raça Boer nos carris da linha N, entre as estações de Fort Hamilton e New Utrecht.

Jon Stewart, famoso por ter apresentado o programa The Daily Show durante 16 anos, colaborou no resgate dos herbívoros, juntamente com a mulher, Tracy. Ambos levaram os animais para o abrigo Farm Sanctuary, a norte do estado de Nova Iorque, onde receberam os nomes Billy e Willy.

Stewart e a mulher são ambos ativistas dos direitos dos animais. O Farm Sanctuary é uma das instituições que o casal apoia. No passado os Stewart adotaram um cavalo vítima de violência e um touro que escapara do matadouro. Com tantos animais, em 2015 decidiram abrir o seu próprio refúgio na quinta que têm em New Jersey.

Comer erva

"Fomos informados de que eles estavam a comer erva", disse Jon Weinstein, porta-voz da Metropolitan Transport Authority (MTA), que gere o metro de Nova Iorque e chamou a polícia local e o Controlo Animal para tomarem conta da ocorrência.

Não se sabe como é que as cabras chegaram aos carris, embora nos últimos anos tenha havido um registo de animais que escaparam de matadouros existentes na zona.

Os funcionários do metro e as autoridades da cidade levaram os animais para uma linha encerrada, onde os capturaram e tranquilizaram por volta das 13 horas locais (17 horas em Lisboa).

Um vídeo divulgado pelo canal de televisão norte-americano Spectrum News NY1 no Twitter mostra Jon Stewart a colocar as cabras numa carrinha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.