Jon Stewart ajuda a resgatar duas cabras no metro de Nova Iorque

Animais foram capturados pelas autoridades e encaminhados para um abrigo

Quem utilizou o metro de Nova Iorque na manhã da última segunda-feira pode ter-se deparado com problemas na circulação. A razão? A presença de duas cabras da raça Boer nos carris da linha N, entre as estações de Fort Hamilton e New Utrecht.

Jon Stewart, famoso por ter apresentado o programa The Daily Show durante 16 anos, colaborou no resgate dos herbívoros, juntamente com a mulher, Tracy. Ambos levaram os animais para o abrigo Farm Sanctuary, a norte do estado de Nova Iorque, onde receberam os nomes Billy e Willy.

Stewart e a mulher são ambos ativistas dos direitos dos animais. O Farm Sanctuary é uma das instituições que o casal apoia. No passado os Stewart adotaram um cavalo vítima de violência e um touro que escapara do matadouro. Com tantos animais, em 2015 decidiram abrir o seu próprio refúgio na quinta que têm em New Jersey.

Comer erva

"Fomos informados de que eles estavam a comer erva", disse Jon Weinstein, porta-voz da Metropolitan Transport Authority (MTA), que gere o metro de Nova Iorque e chamou a polícia local e o Controlo Animal para tomarem conta da ocorrência.

Não se sabe como é que as cabras chegaram aos carris, embora nos últimos anos tenha havido um registo de animais que escaparam de matadouros existentes na zona.

Os funcionários do metro e as autoridades da cidade levaram os animais para uma linha encerrada, onde os capturaram e tranquilizaram por volta das 13 horas locais (17 horas em Lisboa).

Um vídeo divulgado pelo canal de televisão norte-americano Spectrum News NY1 no Twitter mostra Jon Stewart a colocar as cabras numa carrinha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.