Jogadores apostaram que Trump faria "falsas declarações" e ganharam cerca de 270 mil dólares 

Nas primeiras 12 horas, foram feitas mais de 100 mil apostas.

Na terça-feira, houve quem estivesse especialmente atento ao discurso do presidente dos Estados Unidos em direto da sala Oval, na Casa Branca, em Washington: os apostadores. Uma casa de apostas online chamada BookMaker aceitou apostas sobre a quantidade de "declarações falsas" que Trump faria no seu discurso de oito minutos. A aposta rendeu 270 mil dólares, cerca de 234 mil euros, aos jogadores que afirmaram que o presidente diria mais do que 3.5 "inverdades", segundo o site Vice.

O desafio atraiu "mais de 100 mil ações só nas primeiras 12 horas", de acordo com o consultor de probabilidades da BookMarker, John Lester, citado pelo New York Daily News . Lester indicou ainda que o site evitou intencionalmente a palavra "mentiras" para não ter de provar que o presidente estaria a enganar propositadamente os cidadãos.

Trump terá prestado 11 "declarações falsas" sobre imigração detetadas a partir do site "Fact Checker" do jornal The Washington Post, o que fez com cerca de 92% dos apostares recebessem dinheiro. "É um dia mau para a Truthiness e para a Bookmarker. Nós soubemos desde o início que estávamos feitos com esta [aposta]", referiu Lester ao site BuzzFeed.

"Achámos que a estratégia do presidente seria criar medo para pressionar os democratas a aprovar o financiamento do muro, no entanto o presidente foi ainda constrangido pelo limite de tempo de aproximadamente oito minutos". "Com todos os canais de televisão a divulgar o discurso, surgiu a questão de quantas vezes o presidente estaria disposto a exagerar a verdade para cumprir a sua agenda, quando o mundo estava a examinar as suas palavras?".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.